Jerónimo de Sousa: “50 milhões para aumentar Função Pública é claramente insuficiente”

  • ECO
  • 5 Outubro 2018

O líder do PCP considera que 50 milhões de euros é um valor insuficiente para aumentar os salários dos funcionários públicos, acrescentando ainda que este deve abranger todos os trabalhadores.

Claramente insuficiente“. São as palavras utilizadas por Jerónimo de Sousa para classificar um eventual aumento global de 50 milhões de euros nos salários dos funcionários públicos no Orçamento de Estado de 2019. A posição do líder do PCP foi defendida em entrevista ao Observador (acesso grátis).

Questionado sobre se estaria confortável com a proposta do Governo para aumentos nos funcionários públicos, que poderão não chegar aos 50 milhões de euros, Jerónimo de Sousa começou por afirmar que “ninguém entenderia que durante toda uma legislatura não se concretizasse esse justo objetivo de um aumento salarial“.

Apesar de deixar o tema dos aumentos salariais dos funcionários públicos para a mesa de discussão entre o Governo e os sindicatos, o líder comunista disse, contudo, ser “claramente insuficiente [os 50 milhões de euros] tendo em conta o ponto de partida, foram nove anos”.

Em termos da forma de distribuição, disse ser contra um aumento salários apenas para alguns. “Nós consideramos importante que a haver um aumento salarial, deva ser para todos. Pela nossa proposta de valorização do salário mínimo estamos a pensar nos salários mais baixos, mas isso não deve implicar que outros escalões e outros trabalhadores, com salários médios ou com salários razoáveis, sejam postos de parte. Se é aumento salarial, deve ser considerado para todos os trabalhadores”, disse Jerónimo de Sousa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jerónimo de Sousa: “50 milhões para aumentar Função Pública é claramente insuficiente”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião