Cinemas perderam 1,4 milhões de espectadores este ano. Receitas caem 9,1%

  • Lusa
  • 10 Outubro 2018

Entre janeiro e setembro, as salas de cinema portuguesas tiveram menos 1,4 milhões de espectadores, comparativamente com o mesmo período do ano passado. Receitas globais do negócio caíram 9,1%.

Entre janeiro e setembro deste ano, as salas de cinema portuguesas perderam 1,4 milhões de espectadores, em relação ao mesmo período do ano passado, o que significa uma quebra de 12,4%, segundo dados oficiais divulgados esta quarta-feira.

Segundo as estatísticas mensais do Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA), as 561 salas da rede de exibição comercial tiveram cerca de 10,5 milhões de espectadores entre janeiro e setembro deste ano, quando, no mesmo período de 2017, se registaram cerca de 11,9 milhões.

Em termos mensais, setembro registou um aumento de espectadores de 14,2%, em relação a setembro de 2017. Ou seja, mais 132 mil pessoas foram ao cinema em setembro deste ano do que em setembro do ano passado, mas não as suficientes para atenuarem a tendência de quebra consecutiva de assistências nos cinemas portugueses.

No que diz respeito às receitas de bilheteira, entre janeiro e setembro deste ano houve uma quebra de 9,1%, cerca de 5,64 milhões de euros a menos, em relação ao mesmo período de 2017. Entre janeiro e setembro deste ano, registaram-se 56,6 milhões de euros de receita bruta de bilheteiras, nas 561 salas da rede de exibição comercial, e, no mesmo período de 2017, o valor tinha sido de cerca de 62,2 milhões de euros.

Este ano, até setembro, o filme mais visto em Portugal foi The Incredibles 2: Os Super-heróis (estreado em junho), com cerca de 605 mil espectadores, seguido de Hotel Transylvania 3: Umas férias monstruosas (estreado em julho), com cerca de 435 mil, e As cinquenta sombras livres (estreado em fevereiro), com 430 mil. Este ano, até setembro, no conjunto de todas as salas de exibição comercial do país, cada sessão de cinema teve em média 21 espectadores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cinemas perderam 1,4 milhões de espectadores este ano. Receitas caem 9,1%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião