FMI mais pessimista que o Governo. Excedente orçamental só em 2022

De acordo com o FMI, Portugal só conseguirá um excedente orçamental em 2022, o que contraria as estimativas do Governo. Quanto à dívida pública, as perspetivas estão alinhadas com as de Mário Centeno.

Ao contrário do que tem sido estimado pelo Executivo de António Costa, Portugal só deverá conseguir um excedente orçamental em 2022, acredita o Fundo Monetário Internacional (FMI). No relatório Fiscal Monitor, o organismo liderado por Christine Lagarde prevê que, em 2021, Portugal conseguirá atingir o equilíbrio das suas contas (0% de défice), atingindo um excedente orçamental de 0,2% do produto interno bruto (PIB) no ano seguinte.

De acordo com o Programa de Estabilidade 2018-2022 apresentado pelo Governo em abril deste ano, Portugal deverá registar um défice de 0,2%, em 2019, passando a um excedente de 0,7% já em 2020, cenário também apoiado pelo Conselho de Finanças Públicas (CFP). A entidade liderada por Teodora Cardoso estima, no entanto, que, nesse ano, se verificará um excedente orçamental mais modesto que o avançado pelo Governo, isto é, de 0,1%.

Excedente em 2020? FMI está menos otimista que o Governo

Fonte: FMI e MF

Nem todos estão, contudo, tão otimistas quanto o Governo e o CFP. No relatório do FMI sobre a condução da política orçamental, o organismo estima que, no próximo ano, Portugal registará um défice de 0,3%, que deverá ser seguido por um défice de 0,2% em 2020 e por um equilíbrio orçamental em 2021. Só em 2022, perspetiva assim o organismo, conseguirá Portugal atingir um excedente orçamental, que, estima, será de 0,2%.

FMI e Lisboa alinhados quanto à dívida pública

Se o FMI discorda do Governo no que diz respeito à data em que Portugal atingirá um excedente orçamental, no capítulo da dívida pública revela expectativas semelhantes às de Mário Centeno.

Segundo o Fiscal Monitor, em 2019, a dívida pública lusitana deverá recuar para 117,2% do PIB, o que fica em linha com o valor avançado pelo Executivo português.

FMI e Governo estão em linha quanto à redução da dívida pública em 2019

Fonte: FMI e MF

No Programa de Estabilidade, o Governo tinha estimado que a dívida deveria ficar os 118,4% do PIB. Esta terça-feira, esse valor acabou, contudo, por ser revisto para 117% do PIB.

Por outro lado, a diminuição da dívida pública perspetivada pelo FMI, nos anos seguintes, fica abaixo daquela estimada pelo Governo. Em 2020, o Executivo espera registar uma dívida pública equivalente a 114,9% do PIB, em 2021 a 107,3% do PIB e em 2022 a 102,0% do PIB. Já o organismo liderado por Christine Lagarde estima que, em 2020, a dívida pública portuguesa recuará para 115,1% do PIB, em 2021 para 109,6% do PIB e em 2022 para 105,8% do PIB.

Em comparação, no próximo ano, o FMI estima que a dívida pública alemã recue para 56% do PIB, a espanhola para 95,8% do PIB e a grega para 176,9% do PIB.

Receitas e despesas mantêm-se estáveis

De regresso à discórdia, ao contrário do que prevê o Governo português, o FMI acredita que a economia lusa abrandará no próximo ano, crescendo apenas 1,8%, valor que compara com os 2,3% esperados para este ano.

A par desta tendência, o organismo liderado por Lagarde estima que as receitas nacionais se mantenham mais ou menos estáveis (43,3% do PIB em 2019 e 43,2% do PIB em 2020, 2021 e 2022) enquanto que as despesas deverão sofrer um desagravamento contínuo: 43,6% do PIB em 2019, 43,5% do PIB em 2020, 43,3% do PIB em 2021 e 43,0% do PIB em 2022 e 2023.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI mais pessimista que o Governo. Excedente orçamental só em 2022

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião