Portugal paga mais pela dívida a dez anos com turbulência vinda de Itália

Portugal teve de pagar mais para emitir dívida a 10 anos. O IGCP conseguiu levantar apenas 782 milhões de euros nos mercados e a taxa de juro subiu para 1,939%.

Portugal teve de pagar mais para emitir dívida a 10 anos. O IGCP foi esta manhã ao mercado e obteve um financiamento de apenas 782 milhões de euros em obrigações do Tesouro com maturidade em 2028, com a taxa de juro a subir face ao anterior leilão para 1,939%.

É o reflexo sobretudo da recente turbulência que vem de Itália: a agência que faz a gestão da dívida pública pretendia levantar até 1.000 milhões de euros com o leilão desta quarta-feira, mas acabou por se financiar em apenas 782 milhões (perto do montante mínimo do intervalo indicativo); por outro lado, os custos agravaram face ao último leilão, realizado há apenas um mês, quando o IGCP pagou 1,854% — hoje pagou 8,5 pontos base a mais.

Ainda assim, a procura dos investidores revelou-se robusta, sendo quase o triplo do que o IGCP chegou a emitir.

“É verdade que a taxa desta emissão subiu ligeiramente face à anterior, mas esse é um movimento que acompanha a evolução recente da curva da dívida soberana europeia”, referiu Filipe Silva, diretor da Gestão de Ativos do Banco Carregosa. “Mais importante que isso, Portugal emite dívida longa abaixo do custo médio da dívida pública, cuja taxa (de cupão) média se situa nos 3,85%“, frisou ainda.

Custo da dívida agrava-se

Fonte: IGCP

Itália tem estado no centro do furacão dos mercados nas últimas semanas por causa do Orçamento do Estado que tem dividido Roma e Bruxelas, deixando os investidores desconfiados, o que tem resultado numa subida das taxas da dívida em toda a Zona Euro nos mercados secundários (que servem, em última instância, de referência para os leilões de dívida como aquele que Portugal realizou esta quarta-feira).

No caso português, a yield associada aos títulos a 10 anos voltaram a superar a fasquia dos 2%, uma novidade dos últimos quatro meses e nas vésperas de a agência Moody’s rever a notação da dívida portuguesa e de o Governo português apresentar o Orçamento do Estado para 2019. Mas é em Roma que tudo se passa.

O economista-chefe da Moody’s Analytics (da agência Moody’s) veio alertar esta quarta-feira para a questão do rating de Itália (dois níveis acima de lixo), sublinhando ao jornal La Stampa que os planos do Governo italiano são um “erro”. Tanto a Moody’s como a Standard & Poor’s vão atualizar o rating da dívida italiana dentro de poucas semanas.

(Notícia atualizada às 11h01)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal paga mais pela dívida a dez anos com turbulência vinda de Itália

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião