“A democracia é o regime das surpresas”, diz Marcelo sobre a remodelação

O Presidente da República defende que as remodelações se fazem em segredo e desvalorizou a realização da mesma.

O Presidente da República recusou comentar a remodelação do Executivo, mas desvalorizou a sua importância dado que “a remodelação deve ocorrer como o respirar natural da democracia”. De visita a uma fábrica reconstruída depois dos incêndios de outubro do ano passado, em Oliveira de Frades, Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou que “a democracia é o regime das surpresas”.

Em declarações transmitidas pela RTP3, Marcelo desvalorizou o facto de a remodelação ter sido feita em segredo. “Não sei o que não seja uma remodelação não secreta”, disse. “Imagine alguém anunciar que vai fazer uma remodelação daqui a X dias. Acabaria por não fazer remodelação nenhuma”, precisou recordando que o mesmo se passava com as decisões de valorização ou desvalorização de moeda.

“As remodelações têm esse encanto, fazem-se por natureza de modo discreto e são tanto mais eficazes quanto mais discretas se fizerem”, precisou o Chefe de Estado. “Ninguém é eterno, nem os Presidentes, nem os chefes de Governo“, acrescentou Marcelo.

O primeiro-ministro anunciou um remodelação governamental no sábado de quatro ministros, à boleia do pedido de demissão do ministro da Defesa na sexta-feira. Marcelo recusa comentar as novas entradas no Executivo, mas sublinha que “em cada momento, quem parte vê reconhecido o seu contributo e quem chega, chega com nova dinâmica e criatividade para dar o seu contributo”.

Ainda assim, Marcelo reconheceu que “acompanha com maior atenção o que se se passa” na pasta da Defesa, quando questionado sobre a escolha de João Gomes Cravinho para ministro da Defesa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“A democracia é o regime das surpresas”, diz Marcelo sobre a remodelação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião