Centeno promete a Centeno metade do esforço orçamental que Bruxelas quer

No Orçamento do Estado para 2019, o Governo promete um défice quase nulo, mas o esforço de redução estrutural fica aquém das metas de Bruxelas.

O Orçamento do Estado para 2019 prevê uma redução do défice estrutural de 0,3 pontos percentuais do PIB, metade do esforço exigido pelas regras de Bruxelas. São cerca de 600 milhões de euros de consolidação à séria.

Apesar de Portugal ter saído do Procedimento por Défices Excessivos, está obrigado a respeitar as regras do Pacto de Estabilidade e Crescimento, que impõem uma correção do défice estrutural de 0,6 pontos percentuais.

No documento que esta segunda-feira foi entregue no Parlamento, o Executivo propõe-se a fazer uma redução de apenas 0,3 pontos percentuais do PIB para 0,3% do PIB potencial. Esta era a correção já prevista em abril no Programa de Estabilidade.

O saldo estrutural é o indicador usado pela Comissão Europeia para avaliar o verdadeiro esforço de consolidação orçamental. Este saldo é calculado a partir do saldo orçamental descontadas as medidas irrepetíveis e o efeito do ciclo económico.

Os ministros das Finanças da zona euro, liderados por Mário Centeno, têm de se pronunciar sobre os orçamentos do países do euro.

Na frente orçamental, o Orçamento do Estado para 2019 aponta para o défice mais baixo da história de democracia. O Governo mantém a meta de défice para este ano em 0,7% do PIB — um objetivo que já tem em conta a injeção de 732 milhões de euros no Novo Banco que já aconteceu na primeira metade do ano –, e no próximo ano deve voltar a reduzir-se para 0,2% do PIB, muito perto do ponto de equilíbrio. Esta meta pode, no entanto, ser ensombrada por uma nova injeção de capital no Novo Banco, que pode chegar a 726 milhões de euros. Um risco que o Governo reconhece já que inscreveu uma dotação de 850 milhões de euros para que o Fundo de Resolução possa injetar no Novo Banco em caso de necessidade (exatamente o mesmo valor inscrito este ano). O FMI refere uma meta de défice de 0,3% do PIB.

No próximo ano, o PIB deverá crescer 2,2%, uma décima abaixo da previsão para 2018. Face a abril, a última vez que o Governo atualizou previsões para a economia portuguesa, o Ministério das Finanças revê em baixa a projeção de crescimento do PIB para 2019 em uma décima, já que no Programa de Estabilidade apontava para uma estabilização da atividade face ao ano anterior.

Apesar da revisão em baixa, o Governo coloca-se no patamar de otimista quando se comparam estas previsões com as que outras instituições fizeram. O Fundo Monetário Internacional (FMI) aponta para um crescimento de apenas 1,8% e há um mês o Conselho das Finanças Públicas acredita em 1,9%. Ou seja, todas as instituições antecipam um abrandamento, diferindo apenas no ritmo de desaceleração.

Ainda assim, o Governo continua a ver melhorias no mercado de trabalho no próximo ano, com a taxa de desemprego a recuar para 6,3%. Posição partilhada pelas restantes instituições. O FMI, por exemplo, a instituição internacional que atualizou previsões para Portugal mais recentemente, vê a taxa de desemprego a descer de 7% para 6,7%, entre 2018 e 2019.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno promete a Centeno metade do esforço orçamental que Bruxelas quer

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião