Retalho trava bolsa. Lisboa contraria ganhos da Europa

Depois da entrega do Orçamento do Estado, a bolsa portuguesa regista uma descida ligeira. As perdas do retalho impedem Lisboa de seguir os ganhos da Europa.

A bolsa nacional recua. Está a contrariar a recuperação das praças europeias, pressionada pelos títulos do setor do retalho. A Galp Energia também pesa no comportamento do índice de referência português.

O PSI-20 recua 0,02% para os 4.995,59 pontos. Chegou a ganhar nos primeiros momentos da sessão, mas rapidamente inverteu, voltando a desvalorizar.

Nas praças europeias a tendência é positiva. Depois de ter atingido mínimos de quase dois anos na última sessão, o índice de referência europeu Stoxx 600 abre a subir 0,12%. O índice alemão DAX arrancou a ganhar 0,09%, e o espanhol IBEX 35 a subir 0,32%.

Em Lisboa, a Sonae lidera as perdas, e cai 4,17% para os 80,50 cêntimos, depois do fracasso da OPV da Sonae MC, e de uma mudança na gestão. Também a Jerónimo Martins recua, perdendo 1,71% para 11,195 euros.

A Galp Energia também recua, cedendo 0,71% para os 15,46 euros, penalizando a praça lisboeta num dia em que as restantes empresas do setor energético valorizam. A EDP e a EDP Renováveis estão a subir respetivamente 0,78% e 0,80%. A empresa já reagiu à proposta das tarifas da ERSE, de um aumento de 0,1% na fatura da eletricidade, ao reiterar que terá de aplicar medidas para proteger os seus interesses

O BCP brilhou na última sessão, com uma subida de quase 3%. Na abertura desta sessão, volta a valorizar, mas regista ganhos bem menos expressivos, valorizando 0,21% para os 23,49 cêntimos.

 

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Retalho trava bolsa. Lisboa contraria ganhos da Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião