O que vai o Orçamento mudar para os pensionistas?

Os pensionistas vão sentir três grandes alterações nos seus rendimentos: vão crescer face à inflação, vão conquistar um aumento extraordinário em janeiro e, alguns, vão perder o corte de 14,5%.

São essencialmente três as medidas que o Orçamento do Estado para o próximo ano traz para os pensionistas: o aumento normal das pensões, a subida extraordinária (e desta vez, já em janeiro) e a concretização de mais duas fases da eliminação do fator de sustentabilidade.

O ECO reuniu todos os detalhes subjacentes a estas alterações, para que se mantenha atualizado.

Atualização normal abrange maioria dos pensionistas

O Orçamento do Estado para o próximo ano traz a atualização normal das pensões, conforme está previsto na lei. “Atendendo ao cenário macroeconómico estimado para 2019, a atualização regular das pensões permitirá aumentar todas as pensões, com especial ênfase no primeiro escalão, cujos pensionistas terão por dois anos consecutivos (2018 e 2019) um aumento real de pensões”, lê-se na proposta.

De acordo com a fórmula em vigor, quando a economia cresce acima dos 2% (em 2019, deverá crescer 2,2%), os pensionistas (que recebem até 857 euros, o equivalente a dois IAS) veem as suas pensões serem atualizadas com um bónus 0,5 pontos em relação à inflação registada. Para pensões entre os 857 euros e os 2.570 euros, a atualização é apenas a correspondente à inflação e para pensões entre os 2.570 euros e os 5.142 euros, à taxa é deduzida 0,25 pontos percentuais.

Desde modo, no próximo ano, 98% dos pensionistas devem ver as suas prestações subirem, prevendo-se um “aumento real do poder de compra de cerca de 78% das pensões”.

Aumento extraordinário das pensões já em janeiro

Em janeiro, os pensionistas com prestações mais baixas (isto é, que não ultrapassem os 1,5 IAS) verão as suas pensões engordar um pouco mais graças ao aumento extraordinário de dez euros mensais negociado pelo PCP com o Governo. Esse valor já inclui a atualização normal ditada pela lei e só se concretizará nos casos em que as pensões não foram atualizadas entre 2011 e 2015.

Além disso, esta atualização contraria aquela que tem sido a tradição dos orçamentos da geringonça, isto é, ao invés de atirar o aumento extraordinário para agosto, trá-lo logo para o início do ano. A medida custará aos cofres do Estado 137 milhões de euros.

Adeus, fator de sustentabilidade

A segunda e a terceira fases do regime de acesso às pensões das longas carreiras contributivas serão ambas concretizadas em 2019. Na proposta de Orçamento, o Governo explica que, a partir de janeiro, será eliminado o fator de sustentabilidade para quem se reforme aos 63 anos (e que aos 60 anos de idade já contava com 40 de descontos). O mesmo alívio do corte que atualmente retira 14,5% às pensões chegará, depois, em outubro, a quem se reformar com 60 anos de idade e 40 de contribuições.

A medida custará 66 milhões de euros aos cofres do Estado. É importante, no entanto, referir que estas pensões antecipadas continuarão a ser sujeitas a um corte de 6% por cada ano que falte para a idade legal.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O que vai o Orçamento mudar para os pensionistas?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião