Há menos milionários em Portugal. Agora são 94 mil

Enquanto no resto do mundo está a aumentar o número de milionários, sendo já 42,2 milhões, em Portugal há menos. Depois dos 99 mil em 2017, este ano há menos cinco mil, embora tenham mais dinheiro.

Há mais milionários no mundo, mas em Portugal o número de fortunas encolheu. De acordo com o Global Wealth Report, do Credit Suisse, dos 99 mil afortunados no ano passado sobraram 94 mil, este ano. Reduziu-se o número, mas a riqueza que estes têm cresceu para um valor cada vez mais perto dos mil milhões de dólares.

Em 2017, o relatório do banco suíço dava conta da existência de 68 mil portugueses avaliados em mais de um milhão de dólares (867 mil euros). Este ano, o Global Wealth Report reviu os dados, apontando para um total de 99 mil milionários no ano passado, número que encolheu em 2018 num total de cinco mil.

Ao ECO, o Credit Suisse explicou que os dados “são revistos de tempos a tempos. A riqueza por adulto para Portugal foi revista em meados de 2017, levando a um aumento do número de milionários” de 68 para 99. Este ano “houve uma redução do número de milionários” para 94 mil.

Apesar da quebra do número de milionários, a fortuna a agregada destes cresceu. Enquanto no ano passado os portugueses com mais de um milhão de dólares apresentavam um património total de 854 milhões de dólares, este ano o valor passou para 916 milhões (794 milhões de euros), segundo dados publicados no site do CreditSuisse.

Enquanto estes 94 mil portugueses têm uma fortuna de milhões, a média da fortuna dos adultos portugueses é bem menor, mas cresceu. Se no ano passado estava em 101,8 mil dólares, este ano subiu para 109,3 mil dólares. A mediana, ou seja, sem considerar os mais ricos nem os mais pobres, aponta para um nível de riqueza de 31.313 dólares por adulto. Cresceu mais de cinco mil no espaço de um ano.

EUA, China e Japão dominam

Espalhados pelo mundo estão 317 biliões de dólares (275 biliões de euros) — mais 14 biliões de dólares do que no ano passado –, colocados nas contas bancárias de 42,2 milhões de milionários (mais 2,3 milhões do que no ano passado). Desse total, 98 biliões de dólares pertencem a milionários norte-americanos, que aumentaram a sua riqueza em 6,3 biliões desde o ano passado. Atrás estão os chineses com um pedaço equivalente a 52 biliões de dólares.

Ranking dos países com maior número de milionários

Fonte: Credit Suisse

O Credit Suisse destaca ainda os aumentos de riqueza da Alemanha, da França e do Reino Unido, que corresponderam a quase um bilião de dólares face ao ano passado, bem como a Itália e o Japão, de cerca de 500 mil milhões de dólares cada um. Em média, cada milionário viu a sua riqueza aumentar 3,2% no espaço de um ano, elevando a riqueza média global para o recorde de 63,1 mil dólares.

“A distribuição global da riqueza continua concentrada principalmente na América do Norte e na Europa, contabilizando 60% da riqueza total das famílias, mas abrangendo apenas 17% da população adulta mundial. Contudo, espera-se que as economias emergentes recuperem da sua recente estagnação e continuem a aproximar-se das economias desenvolvidas nos próximos cinco anos”, diz Anthony Shorrocks, economista e autor do relatório.

A Europa continua a deter uma grande parcela global da riqueza e a acolher um terço dos indivíduos que pertencem à faixa de riqueza mais elevada (património superior a 100 mil dólares) e 30% das pessoas com património superior a um milhão de dólares. As incertezas políticas e as variações cambiais contribuíram para o desempenho estável, embora não espetacular, da Europa no último ano, com eventos como o Brexit a causar impacto”, acrescenta Michael O’Sullivan, regional chief investment officer EMEA, da International Wealth Management, em comunicado.

Para os próximos cinco anos, estima-se que a riqueza global cresça quase 26%, batendo os 399 biliões de dólares (346 biliões de euros). Relativamente ao número de milionários, este deverá atingir os 55 milhões, um novo recorde histórico.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há menos milionários em Portugal. Agora são 94 mil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião