Porsche quer criar fábrica 100% ecológica em 2025

O objetivo é, com fábricas de emissões zero, reduzir o impacto ambiental. Além disso, a construtora automóvel vai também investir em "fábricas inteligentes".

Os condutores, por um lado, devem reduzir a utilização dos automóveis, por questões de impacto ambiental. Os construtores automóveis, por outro, vão ter que reduzir também esse impacto aquando da produção. Os carros terão, assim, que ser livres de emissões poluentes e as fábricas também. A Porsche já se adiantou e anunciou que quer criar fábricas 100% ecológicas, com zero emissões poluentes. O ano de 2025 é apontado como a data para a sua concretização, avança o El Economista (acesso livre, conteúdo em espanhol).

O processo levará algum tempo, pois, conforme explica Albrecht Reimold, membro da Junta de Administração de Produção e Logística da Porsche, a fabrica “não só é neutral em carbono, como também fabrica produtos que são 100% reciclados. Também temos de convencer os nossos fornecedores a juntarem-se a nós nesta viagem”.

A marca de automóveis desportivos já está, de resto, a implementar um conjunto de medidas para fazer com que a produção do novo Taycan — o seu primeiro automóvel 100% elétrico, um GT de quatro portas de luxo, posicionado entre o Panamera e o Cayenne — seja sustentável e espera que os resultados não demorem a fazer-se sentir. “Já estamos quase a alcançar uma meta nesse caminho. Esperamos que o início da produção do Taycan em Zuffenhausen seja neutral em termos de carbono”, afirmou.

Para a produção deste novo modelo, a Porsche decidiu abrir uma nova oficina de pintura e uma área de montagem, que resultou num investimento que ronda os 700 milhões de euros. A expectativa, de acordo com Reimold, é que as vendas do Taycan ultrapassem as 20 mil unidades por ano.

Este investimento deverá contribuir para que a produção do novo elétrico seja 40% mais barata do que seria numa linha de montagem dita convencional.

Outra das apostas da marca será a digitalização total do processo de produção, algo que, para Reimold, trará vantagens, tanto técnicas como económicas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Porsche quer criar fábrica 100% ecológica em 2025

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião