Draghi reconhece tensões em Itália, mas está confiante em acordo entre Roma e Bruxelas

O Banco Central Europeu decidiu deixar a taxa de juro inalterada. E mesmo com as tensões sentidas em torno do Orçamento italiano, Draghi confirma o fim do programa de compra de dívida.

Como já se esperava, o Banco Central Europeu decidiu deixar inalterada a taxa de juro que serve de referência para a Zona Euro e confirmou que o programa de compra de dívida terminará em dezembro. Isto numa altura em que as taxas de juro de alguns países europeus estão a subir, uma evolução que Mario Draghi considera poder estar ligada às tensões sentidas em torno do Orçamento italiano. Ainda assim, o banqueiro diz estar confiante de que Roma e Bruxelas chegarão a um acordo.

Numa decisão sem precedentes, a Comissão Europeia decidiu chumbar o Orçamento apresentado pelo Executivo de Giuseppe Conte. Em resposta, o Governo italiano já avisou Bruxelas de que “até pode mandar 12 cartas” que “os Orçamentos não vão mudar”, o que está a gerar algum desconforto nos mercados.

Por sua vez, a Comissão Europeia continua a insistir na necessidade de “construir o diálogo”, atitude que está a tranquilizar e a dar mesmo confiança ao BCE. “Estou confiante de que vai ser conseguido um acordo entre Itália e a Comissão Europeia”, sublinhou, nesse sentido, Mario Draghi.

Sobre os riscos de contágio, o presidente do BCE assinalou que alguns países europeus viram as suas taxas de juro subir, mas atribuiu essa evolução — além de às tensões italianas — a outras idiossincrasias.

Em declarações ao jornalistas, Draghi notou ainda que a volatilidade dos mercados, o Brexit e o protecionismo mantém-se “riscos proeminentes”. Deste modo, o responsável apelou à aposta nas políticas orçamentais na Zona Euro centradas, nomeadamente, no reforço das almofadas.

BCE mantém taxas de juro

“O Conselho do Banco Central Europeu (BCE) decidiu que a taxa de juro aplicável às operações principais de refinanciamento e as taxas de juro aplicáveis à facilidade permanente de cedência de liquidez e à facilidade permanente de depósito permanecerão inalteradas em 0.00%, 0.25% e -0.40%, respetivamente”, explica o comunicado que acompanha a reunião do Conselho do BCE.

Além disso, a instituição espera que “que as taxas de juro diretoras do BCE se mantenham nos níveis atuais, pelo menos, até durante o verão de 2019”.

Quanto ao programa de compra de dívida, o Conselho do BCE diz que “continuará a efetuar aquisições líquidas ao abrigo do programa de compra de ativos ao novo ritmo mensal de 15 mil milhões de euros até ao final de dezembro de 2018″, prevendo que, “sob reserva de os dados entretanto disponibilizados confirmarem as perspetivas relativamente à inflação no médio prazo”, o programa terminará nesse mês.

(Notícia em atualizada às 15h15).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Draghi reconhece tensões em Itália, mas está confiante em acordo entre Roma e Bruxelas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião