“Não se distribui dividendos porque se acha que sim”, diz Macedo. CGD quer devolver ajuda com “prudência”

Presidente da Caixa diz que nem percebe a questão dos dividendos da Caixa porque sempre disse que quer voltar a remunerar o acionista. Mas falou em "aproveitamento político" do tema.

Paulo Macedo, presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD), não percebe a questão do pagamento de dividendos pelo banco público, até porque é sua missão devolver aos contribuintes o dinheiro público que foi injetado na instituição. Mas “não se distribui dividendos porque se acha que sim”, disse, salientando que quer fazer essa devolução “de forma gradual e prudente”.

“Não percebo muito bem essa questão”, a de voltar a pagar dividendos ou não, disse Macedo na conferência “O Futuro do Dinheiro”, organizado pelo Dinheiro Vivo e TSF. “Desde que cheguei à CGD a primeira coisa que disse era que tínhamos a missão de devolver dinheiro aos acionistas. É que nem percebo qual é a dúvida”, referiu ainda.

“Depois há é uma questão de aproveitamento político, se os dividendos são para o Orçamento do Estado ou se não são. É claro que sim, se é para o acionista, os portugueses, que puseram dinheiro na Caixa”, considerou Paulo Macedo.

O Orçamento do Estado para 2019 prevê a arrecadação de dividendos da parte do Banco de Portugal e da CGD no valor de 741 milhões de euros, dinheiro que vai contribuir para a redução do défice para 0,2% do PIB no próximo ano. Em relação apenas ao banco do Estado, Ricardo Mourinho Félix adiantou em entrevista ao Jornal Económico que o Governo espera obter dividendos no valor de 200 milhões.

Macedo lembrou, porém, que “não se distribui dividendos porque se acha que sim”. “Depende de vários fatores”, notou. “Depende daquilo que se chama de distributable amounts, de saber qual é o montante passível de ser distribuído a terceiros. Depois há um montante mínimo de capital em termos de core e em termos total e só pode ser distribuído acima desse montante. Depois é preciso haver um buffer de capital para os testes de stress. Os bancos portugueses fizeram novamente stress tests e ninguém vai distribuir dividendos (…) sem ter stressado o seu capital em condições adversas”, elencou.

Recordou ainda que no caso da CGD, além da autorização do Banco Central Europeu (BCE), pagar dividendos vai depender a aprovação ou não da autoridade de concorrência europeia, a DG Comp.

“Só cumprindo estas condições é que podemos pagar dividendos”, rematou, frisando que espera devolver dinheiro aos contribuintes “gradualmente e numa perspetiva de prudência”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Não se distribui dividendos porque se acha que sim”, diz Macedo. CGD quer devolver ajuda com “prudência”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião