Rio não afasta que Costa possa ter sabido de Tancos

  • Lusa
  • 25 Outubro 2018

A ser verdade que Azeredo Lopes sabia do encobrimento, "significa que o ministro teria mentido e isso tem de ter tradução, que é a demissão do ministro, o que já aconteceu", diz Rio.

O presidente do PSD excluiu chamar o primeiro-ministro a depor na comissão parlamentar de inquérito a Tancos, mas admitiu não ser “muito normal” que, se Azeredo Lopes soube do encobrimento, não tenha informado António Costa.

No final da reunião do grupo parlamentar do PSD, Rio foi questionado sobre a notícia do Público, segundo a qual o ex-ministro da Defesa Azeredo Lopes sabia do encobrimento na recuperação das armas de Tancos.

“A ser verdade, — a matéria está em segredo de justiça — a ser verdade significa que o ministro teria mentido e isso tem de ter tradução, que é a demissão do ministro, o que já aconteceu”, frisou, acrescentando que o resto terá de ser apurado na comissão de inquérito e pelas instâncias judiciais.

Interrogado se considera possível que Azeredo Lopes, a saber do encobrimento, não tenha informado o primeiro-ministro, Rui Rio respondeu: “Essa pergunta tem de ser feita ao senhor ex-ministro da Defesa e ao primeiro-ministro”.

“Não é muito normal que, numa matéria dessas, o ministro da Defesa não o transmita ao primeiro-ministro”, acrescentou o presidente do PSD.

No entanto, questionado se os sociais-democratas admitem chamar António Costa à comissão de inquérito sobre Tancos que será aprovada esta semana, ainda que o primeiro-ministro tenha a possibilidade de responder por escrito, Rio foi taxativo.

“Não. Não porque eu não vou trás de foguetes. Não me lembro de um primeiro-ministro vir a uma comissão, pode vir a plenário que é sede própria para o primeiro-ministro responder”, defendeu.

Para Rio, “o primeiro-ministro tem de dar explicações”, mas tem de fazê-lo em plenário, nomeadamente nos debates quinzenais.

“Nunca vi, nem quero ver um primeiro-ministro, seja ele qual for, dar explicações numa comissão”, frisou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rio não afasta que Costa possa ter sabido de Tancos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião