Wall Street recupera das quedas recentes. Microsoft ajuda

Os principais índices norte-americanos recuperaram das recentes quedas, numa semana que foi marcada por tensões vindas de vários mercados. A ajudar estiveram as ações da Microsoft.

As bolsas norte-americanas encerraram em alta, depois da queda acentuada da última sessão. A contribuir para este desempenho estiveram os resultados de várias cotadas, nomeadamente da Microsoft, depois de os lucros terem superado as expectativas da própria empresa e dos investidores. O Nasdaq, que afundou mais de 4% na última sessão, registou a maior subida diária desde março.

O principal índice de Nova Iorque, S&P 500, fechou a subir 1,86% para 2.705,60 pontos, enquanto o industrial Dow Jones encerrou a somar 1,63% para 24.984,35 pontos. Por sua vez, o tecnológico Nasdaq valorizou 2,95% para 7.318,34 pontos, depois de ter afundado mais de 4% na última sessão, a pior em mais de seis anos.

A ajudar estiveram os resultados apresentados esta quinta-feira por várias empresas, que animaram os investidores. “O mercado está a corrigir um pouco“, diz Tom Essaye, do The Sevens Report, citado pela CNBC (conteúdo em inglês).

A Microsoft foi a principal cotada a impulsionar Wall Street, depois de os lucros terem aumentado para 8,82 mil milhões de dólares no primeiro trimestre fiscal, um resultado que ficou acima do esperado pelos analistas, de acordo com a Reuters (conteúdo em inglês). As ações da tecnológica encerraram a valorizar 5,84% para 108,3 dólares.

Para além da empresa liderada por Satya Nadella, também outras cotadas animaram os mercados: a Visa, que subiu 4,66% para 140,52 dólares, o Twitter, que valorizou 15,47% para 31,8 dólares e a American Airlines, que somou 6,69% para 32,37 dólares.

Wall Street está a recuperar das recentes perdas, numa semana que ficou marcada por várias pressões, vindas de várias partes do mundo. A crise entre o Governo italiano e a União Europeia (UE) agitaram os mercados, assim como a morte do jornalista na Arábia Saudita. A somar-se estiveram ainda as tensões comerciais entre a China e os Estados Unidos, depois de várias empresas terem sido prejudicadas pelas tarifas aplicadas por Donald Trump.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street recupera das quedas recentes. Microsoft ajuda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião