Ministro do Ensino Superior defende fim das propinas nas licenciaturas

  • ECO
  • 27 Outubro 2018

Manuel Heitor afirma que a redução do valor máximo das propinas não vai prejudicar os alunos bolseiros e, até 2030, espera duplicar o número de estudantes no ensino superior.

Depois de o Orçamento do Estado para o próximo ano ter aprovado a redução do valor máximo da propina, Manuel Heitor vem afirmar que os estudantes bolseiros não serão prejudicados com esta medida. De acordo com a notícia avançado pelo Público (acesso pago), o ministro do Ensino Superior defende ainda o fim das propinas no primeiro ciclo de estudos do ensino superior.

Relativamente à proposta de reduzir o teto máximo das propinas em mais de 200 euros, que levantou críticas que alertaram para a necessidade de um reforço no alojamento universitário, Manuel Heitor afirmou que “não são medidas que possam ser postas como alternativas” e que “uma ação não prejudica as outras”.

Neste sentido, o ministro deixou duas garantias: “Todas as universidades e politécnicos serão totalmente ressarcidos” por este decréscimo do valor máximo das propinas e, embora esse valor máximo esteja incluído na fórmula de cálculo das bolsas de estudo atribuídas, nenhum estudante sairá prejudicado. “O objetivo do Governo é aumentar a base social de apoio do Ensino Superior e chegar ao final da legislatura com 75 mil bolseiros“, disse.

Para além disso, Manuel Heitor defende o fim das propinas nas licenciaturas, uma medida que estima ser possível acontecer “nas próximas décadas” e que “tem de ser vista num processo de convergência com a Europa”. “O ensino superior é de facto uma obrigatoriedade e o seu acesso deve ser livre, sobretudo ao nível da formação inicial“, disse.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministro do Ensino Superior defende fim das propinas nas licenciaturas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião