Preço do arrendamento a estudantes aumentou em sete cidades. Lisboa continua a ser a mais cara

  • Lusa
  • 27 Outubro 2018

Arrendar quarto em Aveiro, Braga, Coimbra, Covilhã, Lisboa, Porto ou Setúbal é agora mais caro para os estudantes. Santarém, Vila Real e Viseu contrariaram a dinâmica de aumento dos preços.

O preço médio do arrendamento para estudantes aumentou este ano em Aveiro, Braga, Coimbra, Covilhã, Lisboa, Porto e Setúbal, segundo dados das plataformas imobiliárias, que revelam ainda que a variação foi negativa em Santarém, Vila Real e Viseu.

Em termos de preços, Lisboa mantém-se a cidade mais cara para alojamento de estudantes, com uma renda média por quarto de 323 euros no portal Idealista, de 485 euros na plataforma Uniplaces e 498 euros no Imovirtual. De acordo com a variação dos preços por quarto, através do portal de imobiliário Imovirtual, a cidade universitária do Porto foi a que registou maior aumento, passando de 301 euros em 2017 para 381 euros este ano, o que corresponde a uma subida de 27%.

Depois da Invicta, destaca-se Aveiro, que teve uma variação de 25%, com o crescimento do valor médio que os estudantes pagam por um quarto de 157 euros em 2017 para 196 euros este ano. Na capital, a variação foi de 20%, já que o preço médio de 415 euros apurado em 2017 aumentou para 498 euros este ano, com base em dados do Imovirtual enviados à Lusa.

A dinâmica de 2017 para 2018 do preço médio por quarto foi, também, positiva em Braga, com um crescimento de 210 euros para 250 euros, em Coimbra, com uma subida de 218 euros para 259 euros, e na Covilhã, com um aumento de 150 euros para 157 euros. Segundo o Imovirtual, a cidade universitária de Vila Real foi a que verificou maior redução dos preços, com uma variação negativa de 52%, uma vez que a renda de 270 euros em 2017 passou para 130 euros em 2018. Além de Vila Real, os dados apontam para uma variação negativa de 31% na cidade de Viseu, com o valor média da renda a cair de 200 euros para 138 euros.

Direcionando a oferta apenas para as cidades de Lisboa, Coimbra e Porto, a Uniplaces avançou que, no primeiro semestre deste ano, o valor médio das rendas a estudantes em Portugal foi de 451 euros, “um valor que reflete um aumento de 4% face ao período homólogo de 2017”.

Relativamente aos valores médios de arrendamento, que abrangem todo o tipo de oferta disponível na plataforma, desde quartos em residências com piscina a quartos em casa partilhada, em Lisboa rondou os 485 euros durante o primeiro semestre deste ano, mais 26 euros do que no período de 2017, no Porto a renda média registada foi de 407 euros, mais 24 euros do que nos seis primeiros meses do último ano, e em Coimbra aumentou para 291 euros, mais dois euros do que igual período de 2017.

A par da valorização do valor das rendas, o número de estudantes internacionais a arrendar casa ou quarto em Portugal, através da plataforma Uniplaces, também cresceu, com “mais de 88% das reservas a serem feitas por estudantes de outras nacionalidades”, o que representa uma subida de cerca de 8% em comparação com 2017.

Com um estudo anual sobre os anúncios de arrendamento de quartos a estudantes, o Idealista informou que de 2015 para 2018 o preço médio em Lisboa cresceu de 257 euros para 323 euros, no Porto aumentou de 209 euros para 261 euros e em Coimbra valorizou de 173 euros para 190 euros.

No que diz respeito à variação de preços entre 2017 e 2018, o Idealista apresenta dados de mais cidades universitárias, destacando a dinâmica de Setúbal, em que o valor médio subiu de 222 euros para 244 euros, o que corresponde a um crescimento de 9,9%. Já em Santarém, a variação de preços foi negativa entre 2017 e 2018, com uma descida de 8,4%, passando de 185 euros para 169 euros, segundo este portal imobiliário. Os dados deste ano apresentam, ainda, o preço médio por quarto em Braga, que se fixou em 196 euros, e em Leiria, que ronda os 180 euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Preço do arrendamento a estudantes aumentou em sete cidades. Lisboa continua a ser a mais cara

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião