Tribunal esqueceu-se de determinar uma parte da pena a Oliveira e Costa do BPN

  • ECO
  • 27 Outubro 2018

Mais de um ano depois de ser conhecida a sentença, o tribunal percebeu que se esqueceu de decidir sobre o crime de abuso de confiança. Pena do ex-banqueiro poderá ser aumentada.

Em maio do ano passado, José Oliveira e Costa foi condenado a 14 anos de prisão no caso BPN. Contudo, mais de um ano depois, o ex-banqueiro pode ver a sua sentença aumentada em vários anos, e tudo porque o tribunal de primeira instância se esqueceu de decidir sobre o crime de abuso de confiança, avança o Expresso.

Para trás ficou um dos crimes de que era acusado o ex-presidente do Banco Português de Negócios (BPN). Esse “esquecimento” foi suscitado há mais de um mês pelo Tribunal da Relação no âmbito dos recursos remetidos há cerca de um ano. Com isto, o processo BPN está pendente da decisão do tribunal de primeira instância, que terá de fixar uma pena a Oliveira e Costa pelo crime de abuso de confiança.

Nunca tinha visto uma situação deste género“, disse ao Expresso um dos advogados. Mas, como explica outro advogado de defesa, poderá ser uma situação compreensível dada a complexidade do processo, o número de arguidos e o conjunto de acusações. De acordo com as estimativas de vários profissionais do Direito, o desfecho deste processo poderá demorar um ano ou até mais. Mas, uma coisa é certa, até que haja uma sentença não passível de recursos, vão demorar pelo menos entre três a cinco anos.

Entre 2001 e 2009, de acordo com o Ministério Público, Oliveira e Costa foi o principal culpado num esquema que envolveu um conjunto de negócios entre sociedades do grupo e o BPN, a criação de centenas de offshores para esconder prejuízos e comprar e vender ações. Para além disso, somou-se ainda a utilização do Banco Insular, usado para receber dinheiro que era desviado do BPN Cayman. Oliveira Costa, Luís Caprichoso, José Vaz Mascarenhas e Francisco Sanches foram considerados culpados pelo desvio de nove mil milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tribunal esqueceu-se de determinar uma parte da pena a Oliveira e Costa do BPN

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião