Última sondagem no Brasil dá 54% a Bolsonaro e 46% a Haddad

As sondagens apontam para uma vitória de Jair Bolsonaro nas eleições deste domingo. Mas a vantagem face a Haddad está a ficar mais estreita.

Caso se confirmem os números das sondagens, Jair Bolsonaro da extrema-direita será o próximo presidente do Brasil.

Os números são do instituto Ibope e divulgados este sábado no Brasil: Jair Bolsonaro, do PSL, aparece com 54% e Fernando Haddad, do PT, regista 46%, uma diferença de nove pontos.

Na segunda volta das eleições brasileiras, que se realiza este domingo, basta que um candidato consiga metade dos votos mais um para ser eleito presidente.

Esta é a terceira sondagem do Ibope para a segunda volta das eleições para escolher o sucessor de Michel Temer. Na anterior, de acordo com os números citados pelo Globo, a diferença (Bolsonaro = 57% e Haddad = 43%) era de 14 pontos, e na primeira (Bolsonaro = 59% e Haddad = 41%) o diferencial era de 18 pontos.

Já os números da Datafolha, citados pelo Folha de São Paulo, mostram Bolsonaro com 55% e Haddad com 45%, ou seja, uma diferença de 10 pontos, sem contar os votos dos indecisos.

Cerca de 147,3 milhões de eleitores são chamados este domingo às urnas para decidir quem será o próximo Presidente da República brasileiro, numa disputa entre a extrema-direita com Jair Bolsonaro e a esquerda com Fernando Haddad.

Além da corrida pelo cargo de Presidente, os brasileiros vão também de escolher os próximos representantes no Parlamento (Câmara dos Deputados e Senado) e dos Governos regionais que não ficaram definidos na primeira volta, que se realizou a 7 de outubro.

As urnas de voto abrem pelas 08h00 (11h00 em Lisboa) e têm o seu encerramento previsto para as 17h00 de cada fuso horário. As últimas urnas eletrónicas a fechar serão no Estado do Acre (22h00 em Lisboa).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Última sondagem no Brasil dá 54% a Bolsonaro e 46% a Haddad

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião