Halloween. Portugal é o quarto maior produtor de abóboras na UE

Em dia de Halloween, o Eurostat revela os maiores produtores de abóboras na União Europeia em 2017. Portugal segue em quarto lugar, com 75.000 toneladas produzidas o ano passado.

É certo que em dia de Halloween não faltam disfarces de bruxas, fantasmas, doces e travessuras… E também abóboras, que ganham popularidade nesta altura do ano, seja na cozinha ou na decoração, com caras esculpidas a fazerem de lanternas assustadoras. Na União Europeia (UE), a festa é também sinónimo de grande produção.

Só em 2017 cerca de 24.000 hectares na União Europeia destinaram-se ao cultivo de abóboras e a outro tipo de cabaças, segundo dados da Eurostat. Espanha lidera na produção, a chegar às 115.000 toneladas de abóboras produzidas o ano passado.

Entre os Estados-membros que mais produzem abóboras, segue-se França com 96.000 toneladas, a Alemanha com 92.000 toneladas, e em quarto lugar surgem Portugal e a Polónia, ambos os países a chegarem às 75.000 toneladas produzidas.

Europa, berço do Halloween

Se julga que esta tradição do dia das bruxas é importada dos Estados Unidos, engana-se. As origens deste dia festivo remontam aos celtas, que há dois mil anos viviam onde é hoje a Irlanda, o Reino Unido e o norte de França. Para este povo no dia 1 de novembro celebrava-se o ano novo, sendo a véspera o dia em que a fronteira entre o “mundo dos mortos” e o “mundo dos vivos” ficava mais ténue.

Nessa noite de 31 de outubro, os celtas celebravam o chamado “Samhain”: uma festividade que assinalava o dia em que os fantasmas voltavam à terra.

Os Estados Unidos receberam o Halloween pela mão dos europeus, nomeadamente dos irlandeses que emigraram para lá, que chegavam ao país e festejavam o feriado em comunidade.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Halloween. Portugal é o quarto maior produtor de abóboras na UE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião