Fábrica de carroçarias e peças em carbono pode “nascer” em Évora

  • Lusa
  • 2 Novembro 2018

O projeto global prevê, entre 2019 e 2023, um investimento na unidade industrial de cinco milhões de euros e a criação de 53 postos de trabalho. O início da obra está previsto para o próximo ano.

A Câmara de Évora anunciou esta sexta-feira ter atribuído a classificação de projeto de Potencial Interesse Municipal (PIM) à construção de uma fábrica de carroçarias e peças em carbono para as indústrias automóvel, aeronáutica, naval e eólica.

O município indicou, em comunicado, que a classificação do projeto e a cedência de um lote de terreno à Pleasant Racing para a construção da fábrica, na zona industrial da cidade, foram aprovadas na mais recente reunião de câmara.

Contactado esta sexta-feira pela agência Lusa, o presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá, adiantou que entre os promotores do projeto está o piloto português de todo-o-terreno Ricardo Leal dos Santos. “Já temos um acordo para se poder instalar” a fábrica em Évora, disse, manifestando-se satisfeito por a Pleasant Racing ter escolhido a cidade alentejana para desenvolver o seu projeto.

O autarca referiu que, numa primeira fase, a empresa vai fazer um investimento “na ordem dos dois milhões de euros” e criar “dez postos de trabalho”. Mas, segundo o município, o projeto global prevê, entre 2019 e 2023, um investimento na unidade industrial de cinco milhões de euros e a criação de 53 postos de trabalho com nível escolar igual ou superior ao 12.º ano de escolaridade.

“Mais importante que o investimento e a criação de postos de trabalho é que estamos a falar de tecnologia de topo“, notou, assinalando que o projeto “dá perspetivas de futuro do ponto de vista da inovação e da ligação de Évora a projetos tecnológicos que são importantes”.

Questionado sobre os prazos, Pinto de Sá indicou que “é difícil” fazer uma previsão sobre o arranque da construção da fábrica, porque ainda “há que fazer o projeto”, mas admitiu que “no próximo ano já haverá obra”.

A Lusa contactou Ricardo Leal dos Santos, que remeteu para mais tarde a divulgação de detalhes sobre projeto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fábrica de carroçarias e peças em carbono pode “nascer” em Évora

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião