Montepio financiou construtor que deu prenda de 8,5 milhões a Salgado

  • ECO
  • 4 Novembro 2018

Ao todo, o Montepio emprestou a José Guilherme mais de 28 milhões de euros entre 2009 e 2014 e a quase totalidade deste crédito está por liquidar.

Entre março e abril de 2009, a Caixa Económica Montepio Geral (CEMG) financiou em 8,5 milhões de euros, a título pessoal, José Guilherme, construtor amigo do antigo presidente do BES Ricardo Salgado, a quem o empreiteiro havia “oferecido” nesse ano 8,5 milhões de euros (entre outras verbas) por alegadas ajudas em Angola, num caso que está sob investigação.

Ao todo, adianta o Público (acesso condicionado), entre 2009 e 2014, José Guilherme foi financiado em 28,4 milhões de euros pelo Montepio só com empréstimos pessoais, e a quase totalidade destes créditos estão ainda por liquidar, prejudicando o banco da Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG), a maior mutualista do país que vai a eleições em dezembro.

Durante este período de cinco anos, o Montepio deliberou mais de dez vezes sobre operações de crédito a José Guilherme. Em 2012, a dívida do empreiteiro ascendia já aos 12 milhões de euros. No ano seguinte, a CEMG passou a exposição de José Guilherme para uma empresa de arrendamento imobiliário, a Sintril, uma operação que permitiu continuar a financiar o construtor a título pessoal nos anos seguintes.

A poucas semanas antes do colapso do BES, em 2014, o banco na altura liderado por Tomás Correia emprestou mais 17 milhões de euros que foram usados parcialmente por José Guilherme para pagar uma dívida de 6,9 milhões de euros da Vergui, uma empresa que recebeu uma mais-valia paga pelo Grupo Espírito Santo num negócio em Angola e que ainda está sob investigação, conta o Público.

Antes de abandonar a liderança do banco, para ficar a liderar os destinos apenas da AMMG, Tomás Correia ainda procedeu a uma reestruturação da dívida de José Guilherme, alargando os prazos de reembolso, numa altura em que as empresas do construtor apresentavam imensas dificuldades.

Em entrevista à SIC, em 2015, Tomás Correia foi perentório quando questionado sobre a eventual amizade com o empreiteiro: “Eu não tenho amizade com José Guilherme. Não há nada disso”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Montepio financiou construtor que deu prenda de 8,5 milhões a Salgado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião