Lloyds corta mais de 6.000 empregos e cria mais de 8.000 com reorganização digital

  • Lusa
  • 6 Novembro 2018

Plano de digitalização do banco liderado por António Horta Osório vai implicar a eliminação de cerca de 6.000 empregos e a criação de outros 8.000 novos postos de trabalho.

O Lloyds Banking Group, liderado pelo português António Horta Osório, confirmou esta terça-feira que vai eliminar 6.240 empregos no âmbito do plano de reorganização digital, que vai criar 8.240 novos postos de trabalho.

O grupo financeiro esclareceu que três em cada quatro novos empregos serão ocupados por pessoas que trabalham no grupo, mas outros trabalhadores mais especializados, como os especialistas em software, serão recrutados fora da instituição financeira.

“O Lloyds Banking Group anunciou hoje que vai criar cerca de 2.000 postos de trabalho adicionais para fortalecer a sua capacidade para oferecer aos clientes novos produtos e serviços digitais bancários de ponta”, informou a instituição.

Nesse sentido, o grupo está a investir para digitalizar o banco pelo qual vai “atualizar alguns postos de trabalho já existentes e criar novos postos de trabalho no seio da sua estrutura”, lê-se ainda na nota informativa divulgada. O anúncio destas medidas faz parte de um plano estratégico do Lloyds para atualizar a sua tecnologia.

Em setembro, o banco informou que o lucro nos primeiros nove meses do ano atingiu os 3.664 milhões de libras (4.140 milhões de euros), mais 18% na comparação com idêntico período do ano anterior.

As receitas totais ascenderam a 14.154 milhões de libras (15.994 milhões de euros) até setembro, um acréscimo de 2% face a igual período do ano passado.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lloyds corta mais de 6.000 empregos e cria mais de 8.000 com reorganização digital

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião