Centeno adverte Itália que só um novo orçamento dissipará as dúvidas

O ministro da Economia, Giovanni Tria, considera que uma redução acentuada no défice orçamental - como exige a Comissão Europeia - seria um "suicídio para a economia" italiana.

O presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, incitou o Governo italiano, esta sexta-feira em Roma, a submeter a Bruxelas um novo plano orçamental, em linha com as regras comuns europeias, advertindo que só assim Itália dissipará a atual desconfiança.

Já o ministro da Economia, Giovanni Tria, por sua vez, defendeu que uma redução acentuada no défice orçamental — como exige a Comissão Europeia — seria um “suicídio para a economia” italiana, avança a agência Reuters (conteúdo em inglês, acesso livre).

Ao lado do presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, e perante os seus alertas para a necessidade de cumprir as regras europeias, Giovanni Tria afirmou que não tenciona alterar o Orçamento do Estado para 2019 de Itália, insistindo que “os pilares” do projeto orçamental, chumbado por Bruxelas, são para “manter”.

Quanto às preocupações da União Europeia (UE) sobre o pacote expansionista, o ministro italiano considera que são receios infundados. Já para Centeno, “há dúvidas persistentes nos mercados entre os parceiros europeus sobre a estratégia orçamental de Itália”.

“A incerteza já está a ter um preço, na forma de custos de financiamento mais elevados para o Estado italiano, empresas italianas e cidadãos italianos. Um plano orçamental revisto oferece a oportunidade para dissipar as dúvidas e preservar a confiança, tanto interna – isto é, de empresas e das famílias – como externa, de investidores e parceiros europeus. Este é um ingrediente fulcral para o crescimento”, alertou o líder do Eurogrupo.

Mário Centeno está em Roma para tentar aproximar as posições de Bruxelas e da capital italiana, quanto às metas orçamentais do Governo transalpino. Contudo, os avanços parecem ser nulos, ainda que Tria tenha manifestado abertura para prosseguir um diálogo construtivo com a Comissão Europeia.

Também o comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros, Pierre Moscovici, antes mesmo da ida de Centeno a Itália, já tinha garantido que Bruxelas irá manter uma “atitude de diálogo” para com Roma.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno adverte Itália que só um novo orçamento dissipará as dúvidas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião