“O país não pode contar que haverá sempre uma conjuntura externa favorável”, diz Catarina Martins

  • Lusa
  • 9 Novembro 2018

Catarina Martins, a líder do BE, defende que a estratégia para amortecer efeitos de crises passa por "recuperar o controlo de alguns bens comuns, em setores estratégicos" e apostar no investimento.

A líder do BE, Catarina Martins, alerta que “o país não pode contar que haverá sempre uma conjuntura externa favorável“, defendendo, por isso, que “as questões da estratégia económica para o futuro são fundamentais”.

Em entrevista à agência Lusa, na véspera da Convenção Nacional do BE que a deverá reeleger como coordenadora nacional do partido, Catarina Martins sublinha que até aqui “foi possível haver crescimento económico porque se recuperaram salários e pensões” e foi até possível uma “consolidação orçamental”.

Mas, diz, Portugal tem “uma economia muito vulnerável a choques externos”, pelo que precisa de “uma estratégia de longo prazo” que amorteça efeitos das crises económicas.

Esta tema abrangerá “uma boa parte do debate” político da Convenção Nacional do BE, que decorrerá no sábado e no domingo no pavilhão do Casal Vistoso, em Lisboa.

Assim, acrescenta Catarina Martins, a estratégia passa por “recuperar o controlo de alguns bens comuns, em setores estratégicos”, mas, também, pela “capacidade de apostar no investimento”, sobretudo em áreas relacionadas com “o território e alterações climáticas”.

A “reconversão energética”, a aposta na tecnologia “de uma outra forma”, para “com isso criar emprego e emprego qualificado”, mas também “gerar riqueza e defender o clima”, são ideias preconizadas pela dirigente bloquista.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“O país não pode contar que haverá sempre uma conjuntura externa favorável”, diz Catarina Martins

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião