Primo de Ricardo Salgado vai gerir carteira de 9.000 imóveis vendidos pelo Novo Banco

A Finsolutia, uma sociedade liderada por Nuno Espírito Santo Silva, primo de Ricardo Salgado, vai gerir juntamente com a Hipoges a carteira de 9.000 imóveis que o Novo Banco vendeu ao grupo Anchorage.

A Finsolutia, fundada e presidida por Nuno Espírito Santo Silva, primo do antigo líder do Banco Espírito Santo (BES) Ricardo Salgado, é uma das duas entidades que vai gerir a carteira de 9.000 imóveis que os americanos do Anchorage Capital Group adquiriram recentemente ao Novo Banco por mais de 700 milhões de euros, sabe o ECO.

Com a transação prestes a ficar fechada, algo que deverá acontecer até final do ano, está prevista a criação de uma plataforma para onde vão ser transferidos os 8.726 imóveis alienados há um mês pelo Novo Banco por 716,7 milhões de euros ao fundo de private equity americano Anchorage. Esta carteira, designada “Projeto Viriato”, é composta sobretudo por propriedades com usos residencial, incluindo estacionamentos, industrial, comercial e terrenos.

Ao que o ECO apurou, a gestão deste portfólio ficou a cargo da Lace Investment Partners, que delegou, por sua vez, a gestão da carteira em duas entidades: a Finsolutia e a Hipoges, duas sociedades com experiência na gestão de ativos na Península Ibérica. O Novo Banco, confrontado pelo ECO, diz que apenas negociou a venda da carteira com o grupo Anchorage, a única entidade com quem contactou diretamente neste processo. E terá sido a Anchorage e a Lace Investment a contratar aqueles duas sociedades.

A Finsolutia é uma sociedade que presta serviços de gestão e recuperação de créditos que nasceu em 2007, em resultado de uma joint-venture entre o UBS Investment Bank, o Espírito Santo Investimento e a Ongoing Strategy Investments. Tem como CEO Nuno Espírito Santo Silva, que conta no seu currículo com várias funções nas últimas duas décadas em entidades do universo Espírito Santo, nomeadamente no BES, BESI e ES Capital, segundo o seu currículo apresentado no seu LinkedIn. Nuno Espírito Santo Silva é primo de Ricardo Salgado, antigo líder do BES que foi alvo de uma medida de resolução em 2014.

Contactado pelo ECO no dia 26 de outubro para confirmar esta informação, Nuno Espírito Santo Silva disse: “Não posso confirmar. Desconheço. Não somos parte envolvida na transação. O que eu li no comunicado é que era entre a Anchorage e a Lace Investment Partners. Não tenho nada para comentar. O Novo Banco fez um comunicado e não sei mais nada do que isso.” Entretanto, o ECO voltou a contactar esta semana Nuno Espírito Santo Silva, mas não esteve disponível.

Quanto à Hipoges, fundada em 2008, gere atualmente ativos avaliados em mais de 12.000 milhões de euros, 3.000 milhões dos quais em Portugal. Ao ECO, o administrador António Nogueira Leite confirmou a informação de que a Hipoges vai gerir aquela carteira de imóveis que pertenciam ao Novo Banco.

A Hipoges foi adquirida no ano passado pelo fundo KKR, que tem vários investimentos em Portugal e que se encontra, inclusivamente, entre os candidatos selecionados pelo Novo Banco para ficaram com a maior carteira de malparado (NPL, non perfoming loans) que alguma vez esteve à venda no mercado nacional, um total de 1.700 milhões de empréstimos problemáticos. Os outros dois candidatos que estão na corrida pelo “Projeto Nata” são o Deutsche Bank e a Cerberus Capital Management.

28 trabalhadores do Novo Banco com rescisão à vista

Com a alienação da carteira, também um grupo de 28 trabalhadores do departamento de gestão imobiliária do Novo Banco vai transitar para a nova empresa, quase metade da força de trabalho daquele departamento. São trabalhadores com experiência e conhecimento na gestão daquele conjunto de imóveis.

Nas últimas semanas, o banco reuniu com aquele departamento para comunicar quais os trabalhadores que permaneceriam e quais iriam ser integrados nos quadros da nova empresa. Para quem fosse integrado na nova empresa, após a rescisão do contrato com o Novo Banco, há a garantia de que não pode ser despedido por um período de cinco anos. Adicionalmente, apesar da transferência para uma nova empresa, vão manter o mesmo nível salarial que têm atualmente no banco, embora continuem a existir entre trabalhadores muitas dúvidas sobre o futuro que lhes espera na outra empresa.

“Após a concretização da venda à Anchorage Capital Group, a gestão da carteira das 8.726 propriedades será realizada pela Lace Investment Partners e uma equipa de servicers de referência em Portugal na gestão deste tipo de ativos, que irão incorporar nos seus quadros até 30 colaboradores do Novo Banco, que saem com rescisões por mútuo acordo ou por reformas antecipadas“, disse fonte oficial do banco ao ECO.

“Estes colaboradores, que já geriam esta carteira de ativos no Novo Banco, beneficiam adicionalmente dos pacotes em vigor para rescisões amigáveis com o Novo Banco e terão ainda a garantia de um contrato de cinco anos com a nova gestora. Com a venda da carteira Viriato, o departamento gestão imobiliária não será afetado além da saídas referidas”, acrescentou a instituição.

Após a venda do portefólio de imóveis, o Novo Banco prepara-se para alienar uma importante carteira de malparado, no valor de 1.700 milhões de euros, com KKR, Deutche Bank e Cerebrus na corrida. Para a instituição detida em 75% pelo Lone Star e 25% pelo Fundo de Resolução, a venda desta carteira de empréstimos problemáticos representa “mais um importante passo no processo de desinvestimento de ativos não estratégicos, prosseguindo a sua estratégia de foco no negócio bancário”, segundo afirmou António Ramalho recentemente.

O banco “aguarda agora que [as instituições] façam as suas análises da carteira com toda a precisão para fazerem as suas propostas até ao início de dezembro”, isto para que a operação fique concluída antes do final do ano, adiantou o presidente do Novo Banco na conferência “O Futuro do Dinheiro”, organizado pelo Dinheiro Vivo e TSF.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Primo de Ricardo Salgado vai gerir carteira de 9.000 imóveis vendidos pelo Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião