“Não sou um robô”. Google quer acabar com esta confirmação sempre que tenta fazer um login

Este cenário é conhecido por todos os que navegam pela internet: marcar os semáforos ou os sinais de trânsito presentes num conjunto de fotografias ou até completar operações matemáticas como "1+4".

Entra numa página web e, depois de solicitar o acesso à área pessoal, com o nome de utilizador e a password, o sistema duvida da sua identidade, querendo assegurar-se que não está a dar permissão a um robô, em vez de um humano. Este cenário é conhecido por todos os que navegam pela internet: marcar os semáforos ou os sinais de trânsito presentes num conjunto de fotografias ou até completar operações matemáticas como “1+4”.

É uma medida de segurança necessária, mas que pode facilmente aborrecer os utilizadores, obrigando-os a perder tempo. Por isso mesmo, estes processos utilizados pela Google podem ter os seus dias contados, uma vez que a gigante tecnológica anunciou o lançamento da terceira versão do reCaptcha, avança o El País (acesso livre, conteúdo em espanhol).

Trata-se de uma nova interação do sistema de validação, que, pela primeira vez, livra o humano de ter de responder a tarefas para fazer com que a máquina acredite na sua identidade. Aliás, livrar o ser humano até de um simples clique, que era o que ultimamente acontecia: marcar com uma cruz o texto “Não sou um robô”.

O reCaptcha versão 3 baseia-se unicamente na análise do comportamento do utilizador na internet. Isto porque os humanos e as máquinas são muito diferentes na sua atividade na web. Os primeiros erram mais e os segundos seguem padrões matemáticos e sem uma coerência explicável. Assim, o sistema rastreia a atividade do utilizador até ao momento da identificação, em que determina se é um humano ou não.

Fernando Suárez, vice-presidente do conselho de Colégios de Engenharia Informática, considera que a terceira versão representa um avanço significativo na experiência de uso das páginas web, melhorando a experiência. Contudo, confessa que “assusta saber que o sistema obtém informação, já não só sobre as páginas que visitamos, mas também do próprio comportamento que mostramos dentro delas”, afirma.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

“Não sou um robô”. Google quer acabar com esta confirmação sempre que tenta fazer um login

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião