Nova SBE inflaciona preço das casas em Carcavelos. Que opções têm os estudantes?

A chegada do novo campus da Nova SBE a Carcavelos fez os preços das casas e dos quartos aumentarem. A universidade deixa várias sugestões aos estudantes, mas nem todas são acessíveis.

Carcavelos entrou no mundo universitário, ou melhor, o mundo universitário entrou em Carcavelos. A chegada do campus da Nova SBE atraiu milhares de estudantes e animou o mercado imobiliário mas, para aqueles que querem morar perto de uma das melhores escolas de negócios do mundo, as hipóteses podem não ser acessíveis a todos. Os preços das casas subiram 45% em dois anos e as residências universitárias oferecem mensalidades a rondar os 500 euros. A Câmara de Cascais vai disponibilizar novas residências mas, ao ECO, antecipou que os preços vão estar em linha com os do mercado.

Na União de Freguesias de Carcavelos e Parede, onde o novo campus está instalado, os preços dispararam. De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), desde o início de 2016 até ao primeiro trimestre deste ano, as casas ficaram 45,5% mais caras e custam, em média, 2.281 euros por metro quadrado. Analisando as quatro freguesias de Cascais, esta sofreu os maiores aumentos.

Campus Nova SBE, CarcavelosD.R.

As obras para a construção deste polo arrancaram em setembro de 2016 e, desde aí, o mercado em Carcavelos começou a mexer. A Remax notou um aumento da procura, tanto por quem quer arrendar como por quem quer comprar. “Quem quer comprar é maioritariamente pelo facto de os filhos virem para aqui estudar, bem como para colocar [o imóvel] no mercado de arrendamento motivado pelo aumento da procura”, explica a imobiliária, ao ECO.

"Quem quer comprar é maioritariamente pelo facto de os filhos virem para aqui estudar, bem como para colocar [o imóvel] no mercado de arrendamento motivado pelo aumento da procura.”

Remax Portugal

Desde o início do ano, a Remax viu os preços de venda subirem de uma média de 2.500 para 3.000 euros por metro quadrado, e os preços de arrendamento passarem de oito para 14 euros por metro quadrado. “A zona está a desenvolver-se, tornando-se apelativa para as famílias mais jovens. Existem também os investidores que, pelo preço do metro quadrado a nível do arrendamento se sentem motivados a investir aqui“, continua.

Paulo Figueiredo, da It Imobiliária, conta ao ECO que há mais de um ano que se tem vindo a sentir um “frenesim” com a vinda da faculdade, “que se materializou muito rapidamente com a evolução das obras”. Especializada na zona de Cascais, a imobiliária nota que esta procura se deverá manter durante oito a dez anos. “Neste momento não existem casas e a produção é lenta para a crescente procura, fator que não será fácil inverter em tempo reduzido”, completa.

Nova escola. Nova localização. Quais são as opções para os estudantes?

Os cerca de 3.000 alunos inscritos na Nova SBE de Carcavelos podem optar por encontrar alojamento em Lisboa ou, para os que querem ficar ao pé da escola, em Carcavelos. No centro da capital, já se sabe, os preços continuam numa escalada sem fim, tendo subido 46,8% desde o início de 2016 até ao primeiro trimestre deste ano, de acordo com os dados do INE. Atualmente, o metro quadrado está fixado em 2.753 euros.

Quando falamos em arrendamento a estudantes, também a oferta continua a ser cada vez mais cara. No portal Uniplaces, os quartos custam, em média, 367 euros por mês. Contudo, basta uma pesquisa na plataforma para perceber que os quartos podem facilmente ultrapassar os 1.000 euros mensais. “A procura aumentou bastante e os preços também, obviamente”, diz ao ECO Inês Amaral, responsável para Portugal e Itália. Contudo, contrariamente ao esperado, a maioria prefere ficar alojada em Lisboa, “em zonas de metro da linha verde para um fácil acesso à linha de comboio e à universidade”.

Contudo, arrendar um quarto em Carcavelos pode sair mais caro. Na plataforma, a média das ofertas é de 459 euros por mês, mais 92 euros do que no centro da capital, revelou a especialista. “Até à data já temos mais de 150 ofertas na zona de Carcavelos e mais de 700 ofertas espalhadas na zona da linha [de comboio]. Estamos ativamente a fazer sourcing para aumentar a oferta da zona da linha de forma a dar resposta à crescente procura que temos recebido nesta zona”, diz.

"Até à data já temos mais de 150 ofertas na zona de Carcavelos e mais de 700 ofertas espalhadas na zona da linha [de comboio]. Estamos ativamente a fazer sourcing para aumentar a oferta de forma a dar resposta à crescente procura que temos recebido nesta zona.”

Inês Amaral

Responsável para Portugal e Itália da Uniplaces

A Uniplaces é uma das entidades com as quais a Nova SBE tem parcerias. Para os alunos inscritos nesta faculdade, a plataforma oferece um desconto de 10% na taxa de serviço e prioridade face aos alunos de outras instituições.

No site da Nova SBE pode ver-se que a universidade tem parcerias com várias residências de estudantes e plataformas, para além da Uniplaces, mas nem todas em Carcavelos. Uma delas é a Collegiate, localizada em Lisboa, que arrenda estúdios por semestre: para uma pessoa os preços arrancam nos 4.730 euros e podem ultrapassar os 15 mil euros. No caso de um estúdio para duas pessoas, um quarto custa cerca de 3.700 euros por semestre.

Campus Nova SBE, CarcavelosD.R.

Outra das opções é a Chalet Júlia, com quartos individuais a custar 560 mensais e quartos duplos a ascender aos 860 euros mensais. Também a Inlife, em Lisboa, tem quartos disponíveis entre os 350 e os 500 euros e T1 a custar cerca de 700 euros. Por uma taxa de 24,5 euros, o estudante vai com os responsáveis visitar três hipóteses de imóveis, o chamado Housing Trip, explicou ao ECO Filipe Pires, responsável. Já a SeaHousing, em Carcavelos, oferece quartos entre os 325 e os 460 euros.

Mas, aquela que a Nova SBE considera a sua residência universitária é gerida pela Milestone. Na página da universidade pode ver-se que há apartamentos disponíveis a partir dos 545 euros por mês que podem ascender aos 695 euros mensais, no caso de um espaço com 35 metros quadrados, cama de casal e varanda.

Câmara de Cascais vai criar residências. Mas “rendas não vão fugir muito” ao praticado pelo mercado

Assim como as casas, também os quartos foram afetados pela subida dos preços no imobiliário. Se há poucos anos se encontravam quartos a rondar os 200 euros, atualmente torna-se difícil encontrá-los por menos de 400. Tendo em conta as várias manifestações que os estudantes têm vindo a fazer contra a especulação e a falta de residências, a Câmara Municipal de Cascais decidiu tomar uma atitude relativamente aos alunos da Nova SBE em Carcavelos. Mas esse é um problema que, explicou a autarquia, caberia ao Estado.

Vamos lançar brevemente um grande programa de habitação em Cascais, para colmatar parte do problema da enorme procura de habitação universitária na zona. Temos vários projetos de residências universitárias. Entendemos que essas medidas vão ser mitigadoras do problema de falta de oferta em termos de residências universitárias”, disse Miguel Pinto Luz, vice-presidente da câmara, ao ECO.

"Vamos lançar brevemente um grande programa de habitação em Cascais, para colmatar parte do problema da enorme procura de habitação universitária na zona. Temos vários projetos de residências universitárias.”

Miguel Pinto Luz

Vice-presidente da Câmara Municipal de Cascais

Questionado sobre os preços dessas cerca de “mil novas residências”, pertencentes a investidores privados, a resposta foi clara: “as rendas serão as rendas que o mercado entende, não vão fugir muito [ao já praticado]“.

Contudo, o autarca ressalvou que “esse não é um problema do município, mas sim uma obrigação do Estado e da própria universidade”. “Nós estaremos a substitui-los, mais uma vez, como substituímos em dezenas de matérias, para colmatar um problema que é grave porque temos uma das melhores escolas de negócio do mundo em Cascais e não temos residências suficientes para todos os alunos que a querem frequentar”, rematou.

Campus Nova SBE, CarcavelosD.R.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Nova SBE inflaciona preço das casas em Carcavelos. Que opções têm os estudantes?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião