Inflação dá fôlego a Wall Street. Petrolíferas recuperam

Os principais índices bolsistas estão em alta, depois de ter sido revelado que a inflação nos EUA teve a maior subida dos últimos nove meses. Recuperação do petróleo dá fôlego às energéticas.

As ações norte-americanas estão em alta, depois de revelado que a inflação nos EUA acelerou em outubro ao ritmo mais elevado dos últimos nove meses. A subida, em linha com o esperado, sinaliza que o aumento gradual da taxa de juro deverá continuar. Os títulos das energéticas dão fôlego a Wall Street, animadas pela recuperação das cotações do petróleo.

O S&P 500 valoriza 0,58%, para os 2.737,9 pontos, enquanto o Dow Jones e o Nasdaq avançam 0,4% e 0,9%, respetivamente, para os 25.388,08 e 7.265,39 pontos.

Essa evolução acontece depois de, nesta quarta-feira, o Departamento do Trabalho dos EUA ter divulgado que a inflação aumentou 0,3% em outubro, após um avanço de 0,1% em setembro, em resultado da subida dos preços da gasolina e das rendas.

Em alta, referência para os títulos das energéticas que estão a ser suportados pela recuperação das cotações do petróleo após o forte tombo registado na sessão anterior. O preço do barril de Brent valoriza em torno de 2% no mercado londrino.

O avanço das cotações do “ouro negro” acontece após uma notícia avançada pela Reuters que indica que a OPEP está mesmo a preparar um corte na produção na ordem dos 1,4 milhões de barris diários.

Entre as maiores subidas, referência para a Exxon Mobil e para a Chevron, cujos títulos ganham em torno de 1%.

Em queda, de destacar a Snap, cujos títulos derrapam cerca de 6% depois de a Reuters ter revelado que os reguladores norte-americanos notificaram a empresa a revelar informações relacionadas com a Oferta Pública Inicial (IPO, na sigla inglesa) que decorreu em março do ano passado.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Inflação dá fôlego a Wall Street. Petrolíferas recuperam

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião