Bloco propõe novo modelo para penalizar especulação imobiliária. Quer taxa extra para empresas e offshore

Proposta agrava carga fiscal das mais-valias consoante o tempo de detenção de um imóvel. Objetivo é beneficiar investimento em reabilitação e venda a preços que se aproximem da "real valorização".

O Bloco de Esquerda quer travar os movimentos de especulação imobiliária através de um novo regime de tributação das mais-valias, que vem agravar a carga fiscal consoante o tempo de detenção de um imóvel. A medida, que já tinha sido anunciada em setembro por Catarina Martins, consta de uma proposta de alteração ao Orçamento do Estado para 2019, apresentada esta quinta-feira, pela deputada Mariana Mortágua.

O objetivo, explicou a deputada, é beneficiar o investimento em reabilitação urbana e a venda de imóveis a preços que se aproximem da “real valorização dos imóveis”. Para isso, propõe um novo modelo que se aplica não só ao IRS e IRC, mas também a fundos imobiliários e empresas com sede em territórios offshore.

No regime atual, no caso das pessoas singulares que sejam residentes em Portugal, o lucro gerado pela venda de um imóvel é obrigatoriamente englobado no IRS e, para efeitos da determinação do lucro tributável, é apenas considerado 50% do saldo obtido com a venda do imóvel. Assim, o imposto máximo aplicável é de 24% (metade do escalão máximo do IRS). No caso dos não residentes, é aplicada uma taxa autónoma de 28% sobre a totalidade da mais-valia.

Já no caso das empresas, o lucro obtido com a venda de um imóvel é obrigatoriamente englobado no IRC, pelo que fica sujeito a uma taxa fixa de 21%. Também aqui é considerado apenas 50% do lucro obtido com a venda do imóvel, se o valor do lucro for reinvestido total ou parcialmente até ao segundo período de tributação após a venda. Os fundos imobiliários também são tributados em sede de IRC, ficando as mais-valias sujeitas à taxa de 21%, mas não são considerados alguns tipos de rendimentos.

O Bloco vem agora propor que as mais-valias obtidas com a venda de imóveis por parte de pessoas singulares sejam divididas em duas partes. A mais-valia correspondente a até metade do valor do investimento que tenha sido feito em reabilitação será considerada em 40% do seu valor para englobamento no IRS.

A restante mais-valia será considerada numa percentagem crescente, dependendo do período de detenção do imóvel. Se o proprietário vender o imóvel após menos de um ano após tê-lo comprado, a tributação incidirá sobre 75% desta parte da mais-valia. A aplicação da taxa será progressiva até aos 12 anos. Se a venda for feita mais de 12 anos após a compra, a taxa incidirá sobre 50% da mais-valia, tal como acontece atualmente.

  • Até um ano: 75% da mais-valia
  • De um a dois anos: 74% da mais-valia
  • De dois a três anos: 73% da mais-valia
  • De três a quatro anos: 72% da mais-valia
  • De quatro a cinco anos: 70% da mais-valia
  • De cinco a seis anos: 68% da mais-valia
  • De seis a sete anos: 66% da mais-valia
  • De sete a oito anos: 63% da mais-valia
  • De oito a nove anos: 60% da mais-valia
  • De nove a dez anos: 57% da mais-valia
  • De dez a 11 anos: 54% da mais-valia
  • De 11 a 12 anos: 51% da mais-valia

Com esta aplicação progressiva ao longo do tempo, o Bloco pretende desincentivar “a retenção do imóvel por mais tempo para aproveitar uma descida significativa da taxa de imposto de um período para outro”.

O modelo proposto pelo Bloco prevê que fiquem isentos de tributação os ganhos provenientes da venda de imóveis destinados a habitação própria e permanente, desde que sejam total ou parcialmente reinvestidos para o mesmo objetivo, período compreendido entre os 24 meses anteriores e os 36 meses posteriores à realização da mais-valia.

A proposta prevê que também no caso dos não residentes as mais-valias sejam separadas: o ganho equivalente a até metade do valor dos encargos com reabilitação realizados nos últimos 12 anos ficará sujeito a uma taxa autónoma de 28%; a mais-valia superior a esse valor fica sujeita a uma taxa autónoma de 33%, aplicada sobre o valor total da mais-valia.

É ainda agravada a tributação para o caso específico dos imóveis de particulares sediados em offshore, aplicando-se uma taxa autónoma de 35% sobre o valor total da mais-valia.

Empresas pagam taxa adicional. Fundos também

Quanto às empresas, o Bloco propõe a criação de um adicional que incide sobre o “ganho apurado pela diferença entre o valor de venda e o valor de compra (ajustado por um fator de correção monetária) deduzida de despesas inerentes à compra e venda do imóvel e de 1,5 vezes o valor dos encargos com a valorização do imóvel, comprovadamente realizados nos últimos 12 anos.

Assim, mantém-se o apuramento atual das mais-valias tributáveis das empresas e acrescenta-se uma taxa adicional. Esta não se aplica quando o valor do lucro seja total ou parcialmente reinvestido até ao fim do segundo período de tributação após a venda do imóvel.

Também neste caso, a taxa adicional será tanto maior quanto menor for o período de detenção do imóvel. Se a empresa vender o imóvel menos de um ano após a sua compra, a mais-valia ficará sujeita a um adicional de 9%; 8,5% para um a dois anos; 8% para dois a três anos; 7,5% para três a quatro anos; 7% para quatro a cinco anos; 6,5% para cinco a seis anos; 5,5% para seis a sete anos; 4,5% para sete a oito anos; 3,5% para oito a nove anos; 2,5% para nove a dez anos; 1,5% para dez a 11 anos; 0,5% para 11 a 12 anos.

No caso das entidades offshore, as taxas são todas agravadas em 50%.

Os fundos imobiliários também passarão a estar sujeitos a um adicional. “Se a venda for feita a um preço que reflita um lucro até 50% do valor investido na valorização do imóvel, não há lugar a adicional”.

Esta quinta-feira, o PSD também apresentou uma proposta para travar a especulação imobiliária, com semelhanças à proposta do Bloco no que toca ao agravamento da tributação consoante o tempo de detenção de um imóvel, mas com menos escalões e protegendo as empresas.

No caso dos imóveis empresariais, uma vez que o objetivo é que os imóveis sejam colocados no mercado, as empresas ficam isentas de tributação quando a revenda seja feita no espaço inferior a um ano. Para os particulares, a proposta do PSD é de que se venderem o imóvel num período inferior a um ano, a tributação incidirá sobre a totalidade das mais-valias; a base de incidência cai para 75% se o imóvel for vendido entre um e dois anos após a compra; 50% entre dois e 15 anos; 25% entre 15 e 30 anos, período a partir do qual haverá isenção sobre as mais-valias obtidas.

12 propostas para a habitação

Para além deste novo modelo de tributação, o Bloco apresentou, esta tarde, outras 11 propostas de alteração ao Orçamento do Estado com medidas para a área da habitação. Entre elas, o aumento da capacidade financiamento do IHRU em 30 milhões de euros (passando assim para 80 milhões), a duplicação da dotação orçamental do Primeiro Direito (para 80 milhões de euros), a redução da taxa máxima de IMI a aplicar a prédios urbanos destinados a habitação própria e permanente (de 0,45% para 0,4%), a revogação do Regime dos Residentes Não Habituais, bem como a revogação dos Vistos Gold.

Questionada sobre se acredita que o novo modelo de tributação sobre as mais-valias será aprovado, Mariana Mortágua diz que o Bloco está disponível para “discutir a proposta com quem quer que queira discutir uma forma mais justa de tributação sobre lucros com vendas de imóveis“. “Estamos disponíveis para alterar esta proposta se a discussão for séria”, acrescentou.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Bloco propõe novo modelo para penalizar especulação imobiliária. Quer taxa extra para empresas e offshore

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião