Mota-Engil soma 192 milhões de euros à sua carteira na América Latina

De todas as adjudicações, o destaque vai para a Colômbia, onde a construtora anuncia um contrato de uma obra que ronda os 100 milhões de euros.

A Mota-Engil vai acrescer 192 milhões de euros à sua carteira na América Latina, aumentando, assim, o volume de novas obras para os 500 milhões de euros. O destaque vai para a Colômbia, onde a construtora informa sobre um contrato que originará perto de 100 milhões de euros.

“A Mota-Engil informa sobre a adjudicação de um contrato público para a realização do projeto, da construção e da operação assistida de uma estação elevada de águas residuais na região de Canoas”, pode ler-se no comunicado publicado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O projeto e a construção têm um prazo de 44 meses, enquanto a operação assistida vai decorrer durante um prazo de seis meses. Ambas as fases originarão um montante agregado de faturação de cerca de 100 milhões de euros.

Já à Mota-Engil Peru foi atribuída a obra de elevação da barragem de Las Bamba, que terá um prazo de execução de 26 meses. Adicionalmente, à mesma empresa, foi também adjudicada a extensão dos trabalhos de conservação de algumas estradas pela Provias, obra que terá um prazo de 18 meses.

À Mota-Engil República Dominicana, por sua vez, foi atribuída a reconstrução e extensão de parte do Porto de Caucedo, obra com um período de execução de 13 meses.

Com estas novas adjudicações na América Latina, segundo se lê na nota informativa da construtora, a empresa dá provas de que continua “a incrementar e a diversificar o portefólio de obras naquela região”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mota-Engil soma 192 milhões de euros à sua carteira na América Latina

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião