Vieira Monteiro diz deixar Santander Portugal “preparado para enfrentar o futuro”

  • Lusa
  • 15 Novembro 2018

O presidente executivo do Santander Totta em Portugal, António Vieira Monteiro, considera que deixa o cargo com o banco "preparado para continuar a enfrentar o futuro".

O presidente executivo do Santander Totta em Portugal, António Vieira Monteiro, considerou hoje que deixa o cargo com o banco “preparado para continuar a enfrentar o futuro” e que quando assumiu a liderança a instituição “não era quase nada”.

Em declarações, em Braga, à margem da iniciativa BOX Santander Advance Empresas, o responsável, que vai deixar aquele cargo executivo depois de sete anos, passando a ser presidente do Conselho de Administração, apontou a “aposta calculada” nas empresas como um dos fatores do sucesso da instituição.

“Ao fim de sete anos, vou continuar no banco, vou ser presidente do Conselho de Administração e, portanto, vou continuar no banco, acho que já tenho idade de deixar a parte executiva, já que vou fazer 73 anos, (…) mas aquilo que hei de dizer é que há sete anos quando entrei o banco não era quase nada”, afirmou.

Segundo lembrou, no que respeitava às empresas, o Santander tinha “8% de mercado, ou coisa assim parecida, hoje tem 19%, na área de recursos tinha 10, 11%, hoje tem perto de 16%“, enumerou.

“E o mais importante disso tudo é que ao longo destes sete anos nós distribuímos mais de dois ‘bi’ de dividendos aos acionistas e isto passou pela época da crise, isso tudo. Isto significa que o banco não teve ajuda de ninguém, teve a capacidade de poder comprar duas instituições de crédito, o que resultou do banco ter capitais próprios suficientemente fortes que permitiram fazer essas operações sem ajuda de ninguém”, salientou.

Para Vieira Monteiro, o balanço do seu mandato é satisfatório: “Podemos dizer que o resultado foi positivo, acho que o banco que temos hoje é totalmente diferente daquilo que tínhamos e que o banco fica preparado para continuar a enfrentar o futuro e eu cá estarei para o acompanhar”, disse.

Sobre o crescimento da influência do banco junto das empresas, o responsável referiu que “foi uma aposta calculada”.

“Naquela época, as empresas representavam qualquer coisa como 10% no balanço do banco e os particulares 80 e tal por cento. Hoje as empresas representam 45% do nosso balanço, isso significa uma inversão daquela que foi a nossa política”, explicou.

Vieira Monteiro salientou ainda que a aposta nas empresas teve uma base sustentável: “Nós crescemos no crédito às empresas qualquer coisa como 35 mil milhões de euros e com qualidade porque nunca abandonamos os nossos princípios e os nossos critérios de apreciação de crédito, mostra que qualidade e crescimento podem andar de mãos dadas”, referiu.

Para o ainda presidente executivo do Santander em Portugal, o crescimento da instituição deve-se também à forma como se veio a posicionar no mercado.

Estamos cada vez mais próximos das empresas, somos cada vez mais um banco de empresas, de retalho no seu sentido amplo da palavra (…), estamos presentes em todos os segmentos de mercado, o que faz com que nós tenhamos hoje uma posição extremamente forte no mercado e pensamos continuar a ter, e continuar a crescer”, analisou.

Sobre a situação das empresas em Portugal, Vieira Monteiro mostrou otimismo e considerou mesmo que foram as empresas que “alavancaram o crescimento” do país.

“A grande saída da crise deve-se às empresas, não se deve a mais ninguém, as empresas é que foram o motor desse desenvolvimento (…), tiveram que se reestruturar, que se capitalizar, tiveram que passar por todo este sistema e depois lançar-se para isso. Hoje temos empresas em muito melhor situação do que antigamente e isso é extremamente positivo. O país mudou mas as empresas privadas foram o grande motor dessa mudança”, concluiu.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vieira Monteiro diz deixar Santander Portugal “preparado para enfrentar o futuro”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião