Eduardo Cabrita diz que “está na mão” do Parlamento corrigir lapso de verbas das autarquias

  • Lusa
  • 16 Novembro 2018

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, defende que “está na mão” do Parlamento corrigir o lapso de 18 milhões de euros na proposta do Orçamento do Estado para 2019.

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, considerou esta quinta-feira que “está na mão” do Parlamento corrigir o lapso de 18 milhões de euros na proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), reclamados pela Associação Nacional de Municípios Portugueses.

“De facto, o Fundo Social Municipal, a Lei das Finanças Locais não distingue relativamente ao FEF [Fundo de Equilíbrio Financeiro] o critério da sua atualização. Está na mão da Assembleia da República, num quadro do maior crescimento de sempre de transferências, esclarecer esse lapso e, se for caso disso, corrigi-lo”, afirmou Eduardo Cabrita.

O governante, que falava numa audição parlamentar no âmbito da discussão na especialidade da proposta do OE2019, respondeu desta forma aos deputados que o questionaram acerca dos mais de 18 milhões de euros que a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) apontou faltarem no valor a transferir para as câmaras.

“Este Orçamento consolida um caminho de quatro anos de parceria essencial com as autarquias locais”, salientou Eduardo Cabrita, acrescentando que durante a atual legislatura foi reforçada a autonomia do poder local.

Segundo o ministro, prevê-se um crescimento de 165,5 milhões de euros para a administração local, comparando com 2018, traduzido num aumento global de 6%, com mais 154,9 milhões (6,2%) para municípios, mais 10,4 milhões (5,2%) para freguesias e mais 0,3 milhões (4,3%) para entidades intermunicipais.

O social-democrata Jorge Paulo Oliveira criticou proposta de Orçamento que “falha com o poder local”, com os autarcas e no cumprimento integral da nova Lei das Finanças Locais, pois “faltam 18 milhões de euros para os municípios, um milhão de euros para as freguesias e 330 mil euros para as entidades intermunicipais”.

Apesar de Eduardo Cabrita ter notado que o Governo aprovou esta quinta-feira mais quatro diplomas setoriais da transferência de competências para as autarquias e entidades intermunicipais, num total de 21, faltando o das freguesias, em concertação com a ANMP e a Associação Nacional de Freguesias, o PSD lamentou que não esteja ainda publicado qualquer diploma.

A socialista Maria da Luz Rosinha contrapôs que a proposta em discussão “consolida o processo da retoma da autonomia do poder local”, através do reforço de verbas e da descentralização de competências, refutando as críticas do PSD, “campeão nos cortes nos municípios e nas freguesias, nos meios financeiros e nos recursos humanos”.

Mas a antiga autarca de Vila Franca de Xira também quis saber como se poderia resolver “o lapso” de 18 milhões de euros em falta para os municípios.

O ministro da Administração Interna defendeu ainda a proposta de criação de uma contribuição financeira municipal para a Proteção Civil, para reforçar os meios de segurança às populações, sem uma “desresponsabilização do Estado”.

A proposta, no entanto, foi contestada por vários partidos, incluindo a social-democrata Emília Cerqueira ou Álvaro Castelo Branco, do CDS-PP, que consideram tratar-se de “mais um imposto encapotado”.

A deputada Paula Santos, do PCP, também se manifestou contra uma medida que pode onerar mais as populações, apontando como alternativa a recuperação de uma receita que já pertenceu aos municípios, por via dos “prémios dos seguros”.

O deputado João Vasconcelos (BE) também rejeitou a criação de uma taxa municipal para a Proteção Civil e lamentou que o processo de descentralização levado a cabo pelo Governo com o apoio do PSD não contemple a necessária regionalização do país.

Os deputados quiseram também saber dos cerca de 261 milhões de euros inscritos no fundo de financiamento da descentralização, criado com a revisão da Lei das Finanças Locais, e coube ao secretário de Estado das Autarquias Locais, Carlos Miguel, esclarecer que se trata de “um equívoco orçamental”, por dizer respeito a competências já assumidas e que não têm nada a ver com o processo de descentralização.

A audição na especialidade da proposta de OE2019 decorreu em conjunto pelas comissões parlamentares de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa e do Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Eduardo Cabrita diz que “está na mão” do Parlamento corrigir lapso de verbas das autarquias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião