Partidos acrescentaram mais de 100 novos artigos ao Orçamento deste ano

Nos últimos dois anos, Parlamento enviou OE para Belém poucos dias antes do Natal. Novos artigos incluídos durante o debate na especialidade quase triplicou entre 2016 e 2018.

Marcelo Rebelo de Sousa está preocupado que o elevado número de propostas de alteração ao Orçamento do Estado para 2019 atrase o processo orçamental, atirando para o Natal o envio do documento para Belém. Nas declarações que fez no sábado o Presidente da República recorda a demora verificada em 2017 aquando do envio do Orçamento que está em vigor. Mas não é só o Chefe de Estado que se queixa. Os serviços do Parlamento que ajudam a elaborar o decreto do Orçamento do Estado notaram isso mesmo no relatório que elaboraram no ano passado onde descrevem o processo orçamental.

“No presente processo legislativo, foram aprovadas um total de 217 propostas de alteração, das quais 214 sobre o articulado — incluindo 110 artigos novos — e apenas 3 para os Mapas”, revela o relatório da Direção de Serviços de Apoio Técnico e Secretariado da Divisão de Apoio ao Plenário.

“Para se perceber melhor o alcance e a dimensão da tarefa de redação final no presente Orçamento do Estado (OE), refira-se, a título comparativo, que, no Orçamento do Estado para 2017, foram aprovadas 214 propostas de alteração (das quais 210 sobre o articulado e 4 sobre os Mapas) e aditados à Proposta de Lei 72 artigos novos, e no Orçamento do Estado para 2016, foram aprovadas 142 propostas de alteração e aditados à Proposta de Lei apenas 38 artigos novos”, concretiza.

Os dados revelados pelos serviços do Parlamento permitem perceber a complexidade do processo orçamental nesta legislatura, com um crescente número de artigos novos que são introduzidos na proposta de lei durante a fase de debate na especialidade. Entre 2016 e 2018, o números de artigos novos que foram incluídos pelos partidos no Orçamento do Estado cresceu quase três vezes, ao passar de 38 para 110.

Estes números correspondem também a um número maior de propostas de alteração aprovadas. Se no OE 2016, os deputados aprovaram 142 propostas de alteração, em 2018, este número saltou para 217.

Assim, olhando apenas para o Orçamento de 2018, o número de artigos novos já corresponde a 51% das propostas de alteração aprovadas. Uma taxa que no OE 2016 não ia além de 27%.

A montante destes números estão outros — os que se referem ao número de propostas de alteração entregues pelos partidos. No OE2016, os partidos fizeram 249 propostas de alteração ao documento do Governo, no OE2017 subiu para 510 e no OE2018 voltou a aumentar, desta vez para 707.

Na última ida ao Parlamento, na semana passada, o ministro das Finanças já tinha alertado para o elevado número de propostas de alteração, tendo até pedido aos deputados que não tivessem “comportamentos miópicos”. Agora foi a vez do Chefe de Estado se revelar preocupado. Ambos têm rejeitado tentações eleitoralistas quando falta menos de um ano para as legislativas. Os partidos entregaram quase 1.000 propostas de alteração ao OE2019.

Marcelo Rebelo de Sousa pede mesmo que este ano o OE não chegue à sua mesa no Natal. Mas se isso acontecer, não será diferente do que se passou no OE2018 e no OE2017, tendo este último recebido promulgação “imediata” do Presidente da República.

A Assembleia fez a votação final global do OE2018 a 27 de novembro e a 20 de dezembro o documento fez a viagem entre os dois palácios. Marcelo deu o ok dois dias depois. No OE2017 — o ano da promulgação “imediata” — os prazos foram semelhantes. O documento teve aprovação final global a 29 de novembro de 2016, seguiu para Belém a 21 de dezembro e teve aval presidencial nesse mesmo dia.

No ano passado a redação final foi fixada a 13 de dezembro e, um ano antes, tinha sido a 15. Este ano, de acordo com o calendário fixado, a redação final do decreto (o último passo antes de ir para Belém e que serve para estabilizar o texto da lei depois de incluídas as alterações aprovadas) pode ser feita até 18 de dezembro.

O Orçamento para 2016 teve um calendário mais rápido porque foi o primeiro depois de o Governo tomar posse e aconteceu já com o ano em curso. A 16 de março o documento recebeu aprovação final global no Parlamento, a 23 foi para Belém e a 28 de março teve o sim de Belém.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Partidos acrescentaram mais de 100 novos artigos ao Orçamento deste ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião