Black Friday tem impacto negativo no setor do retalho, diz Moody’s

  • Lusa
  • 22 Novembro 2018

Segundo a Moody's, a Black Friday leva frequentemente a uma antecipação das compras natalícias com margens mais reduzidas para os comerciantes.

A Moody’s considerou, esta quinta-feira, que a Black Friday, que se assinala na sexta-feira, tem um impacto negativo no setor europeu de retalho, levando frequentemente a uma antecipação das compras natalícias com margens mais reduzidas para os comerciantes.

“A Black Friday leva, em muitos casos, a uma antecipação das compras de Natal, muitas vezes com margens mais baixas, e é por isso negativa para o setor europeu de retalho em geral e raramente positiva para as empresas individualmente”, afirma o vice-presidente e senior credit officer da agência de rating, numa nota divulgada, esta quinta-feira.

Segundo David Beadle, os retalhistas mais astutos que optaram por aderir à Black Friday – ‘Sexta-feira negra’ em português, na qual retalhistas de vários setores aplicam diferentes percentagens de descontos – vão fazê-lo “com uma estratégia bem pensada, que inclui compras feitas especificamente para proteger as margens”.

Já outros “decidiram que a sua rentabilidade global e o valor das respetivas marcas ficam melhor protegidas não aderindo”, nota a Mooody’s, acrescentando: “A seu tempo, acreditamos que este evento será cada vez mais circunscrito aos equipamentos elétricos/eletrónicos e que os consumidores acabarão por perceber que as verdadeiras pechinchas são raras”.

Também hoje a Moody’s publicou um relatório sobre as perspetivas para o setor de retalho europeu, que diz estar debaixo de alguma “turbulência” devido a questões relativas à gestão e à mudança dos hábitos dos consumidores, a que se juntam as incertezas ligadas ao Brexit no caso dos retalhistas britânicos.

Segundo David Beadle, “os retalhistas já estabelecidos no mercado e com maior dimensão, particularmente no setor do vestuário, são os que estão a sentir mais problemas de adaptação, à medida que os consumidores vão optando pelas compras ‘online’ em busca de maior comodidade e valor”.

“Alguns retalhistas continuam a ser menos bem-sucedidos na adaptação à mudança de hábitos do consumidor. As empresas com estratégias ganhadoras são as que estão a responder com sucesso ao desejo do consumidor por maior comodidade e valor na compra”, sustenta, acrescentando que “os retalhistas de vestuário estão particularmente expostos a esta realidade, assim como à exigência de qualidade e moda”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Black Friday tem impacto negativo no setor do retalho, diz Moody’s

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião