“Black Friday” da China trouxe 300 mil encomendas para Portugal

Os portugueses apostaram em força no Dia dos Solteiros, Single's Day. O dia de promoções trouxe pelo menos 300 mil encomendas para Portugal, através dos CTT, apurou o ECO.

Os portugueses fizeram pelo menos 300.000 encomendas no AliExpress durante o Dia dos Solteiros, um evento de promoções e descontos que decorreu a 11 e 12 de novembro, apurou o ECO junto de fonte oficial dos CTT CTT 1,62% . O número é quase o dobro do registado durante o mesmo dia de promoções e descontos no ano passado.

O Dia dos Solteiros, ou Single’s Day, é o correspondente chinês da Black Friday e da Cyber Monday, duas iniciativas que nasceram nos Estados Unidos e que têm ganhado grande tração em todo o mundo. Concretamente, o Dia dos Solteiros foi criado há dez anos pelo grupo chinês Alibaba, que detém o AliExpress. Como é habitual, ficou marcado por grandes descontos e cupões promocionais na generalidade dos produtos vendidos na loja virtual.

Este ano, os CTT estabeleceram uma parceria com o AliExpress e foram a transportadora preferencial que fez a esmagadora maioria das encomendas, com origem na China, chegarem às casas dos portugueses. Foram cerca de 300.000, quase o dobro do ano passado, revelou fonte oficial da empresa liderada por Francisco de Lacerda.

Ao ECO, Alberto Pimenta, diretor de e-commerce dos CTT, garantiu que os portugueses estão a apostar mais em fazer compras atrás do ecrã do computador, do smartphone ou do tablet. “O volume de encomendas obtidas através desta parceria entre os CTT e o AliExpress, do grupo Alibaba, confirma que os portugueses estão cada vez mais predispostos a comprar online e que têm confiança no e-commerce, ainda mais se estiverem envolvidas marcas que lhes inspirem confiança”, indicou.

Como o ECO noticiou na semana passada, o Dia dos Solteiros rendeu ao grupo Alibaba uma receita total de 30,7 mil milhões de dólares. Deste valor, mais de 10 mil milhões de dólares foram registados na primeira hora do dia de promoções do também chamado Double Eleven — 11.11, ou 11 de novembro. Tratou-se de um crescimento anual de 27% face à iniciativa de 2017. Apesar de tudo, a taxa foi a mais baixa de sempre, desde que o grupo Alibaba, fundado pelo multimilionário Jack Ma, começou a realizar o Dia dos Solteiros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Black Friday” da China trouxe 300 mil encomendas para Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião