“Malparado é o cancro da banca”, diz Vieira Monteiro. “Não chamaria cancro, mas doença grave”, responde Maya

Em Lisboa, a presidente do Mecanismo Único de Supervisão, Danièle Nouy, disse esperar que bancos portugueses estejam a esforçar-se para reduzir o malparado.

“O crédito malparado deve ser resolvido imediatamente pois é o cancro da banca”, defendeu António Vieira Monteiro, presidente do Santander Totta. Ao seu lado, Miguel Maya, do BCP, rejeitou a comparação: “Não chamaria um cancro, mas é uma doença grave”. Enquanto António Ramalho falava em “recordes” de crédito problemático no seu Novo Banco, Fernando Ulrich, chairman do BPI, disse que “não sendo um grande problema, reduzir os NPL (non performing loans) é um grande objetivo”.

Foi durante a conferência sobre os “quatro anos do Mecanismo Único de Supervisão: lições e desafios”, organizada esta terça-feira pelo Banco de Portugal, em Lisboa, que os responsáveis pelos cinco grandes bancos nacionais (incluindo ainda Paulo Macedo, presidente da Caixa Geral de Depósitos) falaram sobre o problema que atormenta mais uns do que outros: o crédito em incumprimento ou, na linguagem mais técnica, NPL.

Vieira Monteiro comparou estes ativos tóxicos a um cancro que afeta o banco. Já Miguel Maya preferiu chamar-lhe “doença grave” porque “a questão não é assim tão importante se os bancos tiverem as imparidades adequadas”. O CEO do BCP lembrou a seguir que o banco reduziu o nível de NPL em 1,8 mil milhões no último ano e que conta estar em linha com a média europeia em 2020, isto para mostrar que “não empurra o problema com a barriga”.

"O crédito malparado deve ser resolvido imediatamente pois é o cancro da banca.”

António Vieira Monteiro

Presidente do Santander Totta

Por seu turno, este “problema” não preocupa tanto Ulrich, que liderou o BPI na última década antes de ser substituído por Pablo Forero em 2017. “O BPI é o que tem os rácios de NPL ou NPE mais baixos, mas temos sempre o objetivo de melhorar. Não sendo um grande problema, é um grande objetivo. Também estamos a reduzir os níveis mas de uma forma mais voluntária porque o ponto de partida é melhor”, assinalou o agora presidente do conselho de administração do BPI.

Do lado do Novo Banco, António Ramalho colocou o cenário em perspetiva: “Quando se falam de bancos que estão particularmente bem, o problema é um. Quando os bancos têm excesso de malparado, e onde eu sirvo bate todos os recordes, naturalmente que o problema é outro“, disse Ramalho.

Adiantou que, “de uma forma adequada”, o banco deve resolver o problema do malparado “o quanto antes”. “Sou muito prático: todos os adiamentos do presente vão representar imparidades no futuro“. Isto numa altura que o Novo Banco se prepara para alienar uma importante carteira de malparado, no valor de 1.700 milhões de euros, com KKR, Deutsche Bank e Cerebrus na corrida.

Sobre o mesmo tema, Danièle Nouy, presidente do Mecanismo Único de Supervisão, lembrou que as autoridades europeias não estão a olhar para o nível de malparado, mas antes para o “stock, para o legado, para o montante absoluto”.

"Quando se falam de bancos que estão particularmente bem, o problema é um. Quando os bancos têm excesso de malparado, e onde eu sirvo bate todos os recordes, naturalmente que o problema é outro.”

António Ramalho

Presidente do Novo Banco

Falando na mesma conferência, a responsável disse esperar que os bancos “estejam a fazer esforços” para baixar este fardo, porque é “necessário que regressam à rentabilidade” para estarem mais bem preparados para uma eventual crise futura.

Pouco depois, em jeito de resposta a Nouy, Elisa Ferreira fez um ponto de situação em relação à situação portuguesa: “Em termos absolutos, em junho de 2016, o montante de NPL era de 50 mil milhões de euros. Agora é de 32 mil milhões. Foi um grande trabalho, resultou de uma colaboração próxima entre Banco de Portugal e os bancos”.

A vice-governadora frisou mesmo que “estas mudanças estão a ser reconhecidas pelo mercado, através das melhorias de rating da parte das agências”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Malparado é o cancro da banca”, diz Vieira Monteiro. “Não chamaria cancro, mas doença grave”, responde Maya

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião