Bruxelas destaca redução de crédito malparado em Portugal

  • Lusa
  • 28 Novembro 2018

Comissão Europeia destaca reforço da estabilidade na União Europeia e apelou ao desenvolvimento mais rápido da União dos Mercados de Capitais (UMC).

A Comissão Europeia enalteceu, esta quarta-feira, o reforço “considerável” da estabilidade financeira na União Europeia, destacando a redução do crédito malparado, nomeadamente em Portugal, e apelou ao desenvolvimento mais rápido da União dos Mercados de Capitais (UMC).

Na apresentação de terceiro relatório intercalar sobre os progressos realizados na redução dos riscos, essencial para a conclusão da União Bancária, o vice-presidente Valdis Dombrovskis, responsável pela Estabilidade Financeira, Serviços Financeiros e UMC incluiu Portugal num lote de seis países onde a diminuição do crédito malparado foi de 3% ou mais.

“O relatório demonstra que a estabilidade financeira foi consideravelmente reforçada nos últimos anos e a redução dos riscos no setor bancário da UE prossegue a um ritmo sustentado. Particularmente, em apenas um ano, o crédito malparado diminuiu 1,2% a nível comunitário, fixando-se agora nos 3,4%. Na Croácia, Chipre, Hungria, Irlanda, Portugal e Eslovénia constatámos reduções de 3% ou mais”, sustentou.

Valdis Dombrovskis elogiou “as boas notícias” e lembrou que “uma percentagem mais baixa de crédito malparado significa que os bancos estão mais estáveis e rentáveis”.

Bruxelas considera que, embora seja necessário continuar a envidar esforços para dar resposta aos problemas herdados da crise financeira que continuam a pesar sobre o setor, os resultados são muito “encorajadores”.

O relatório publicado esta quarta-feira será o ponto de partida para os debates da Cimeira do Euro, no próximo mês de dezembro, sobre o reforço do Mecanismo Europeu de Estabilidade e a conclusão da União Bancária, nomeadamente no que diz respeito à criação de um mecanismo de apoio comum para o Fundo Único de Resolução e às próximas etapas de criação de um Sistema Europeu de Seguro de Depósitos.

A Comissão congratulou-se igualmente com os progressos realizados nos trílogos sobre o pacote de medidas de redução dos riscos no setor bancário, apresentado em novembro de 2016, e exortou o Parlamento Europeu e o Conselho Europeu a aprovarem rapidamente este pacote, bem como o pacote global de medidas legislativas de combate aos créditos malparados, apresentado em março de 2018.

Em outra comunicação paralela, o executivo comunitário realçou que é “essencial” concluir a UMC para tornar as economias dos Estados-Membros e a União Económica e Monetária mais resilientes, preservar a estabilidade financeira, reforçar o papel internacional do euro e diversificar as fontes de financiamento, em particular para as pequenas e médias empresas.

Para Bruxelas, a UMC oferecerá maior possibilidade de escolha aos consumidores, que poderão aceder a produtos de investimento mais baratos e de melhor qualidade, e permitirá que os prestadores de serviços financeiros se desenvolvam e proponham os seus serviços noutros Estados-Membros.

Assim, a Comissão apelou a um novo compromisso político e a um maior empenho para concluir as fundações da UMC antes das eleições europeias do próximo mês de maio.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas destaca redução de crédito malparado em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião