Oposição a Tomás Correia indignada com SMS enviados aos associados sobre “fake news”

Os associados da Associação Mutualista Montepio receberam uma mensagem de telemóvel alertando para a existência de "notícias falsas" sobre a instituição, apelando ao "voto em consciência".

Vários associados da Associação Mutualista Montepio Geral receberam nos últimos dias uma mensagem de telemóvel com a seguinte informação: “Se é associado do MONTEPIO exerça o seu direito de voto. Não permita que notícias falsas de TV e de jornais votem por si. Vote em consciência. Partilhe a mensagem”. Ainda que não tenha apelado diretamente ao voto na Lista A, de António Tomás Correia, nas eleições para a maior mutualista do país, os SMS provocaram a indignação nas outras duas listas concorrentes, que denunciaram o facto de a “mesa da assembleia geral ter permitido o acesso a milhares de telemóveis pessoais dos associados”.

“Mas esta mesma mesa da assembleia geral recusou o acesso das listas B e C a todos os meios de contacto com os associados”, acrescenta um comunicado conjunto das listas de Ribeiro Mendes e António Godinho, em que lamentam a “falta de neutralidade” da mesa no processo eleitoral. Já exigiram uma reunião com a comissão eleitoral. Estas duas listas tem criticado o processo eleitoral e a lista B pediu mesmo a intervenção do Ministério do Trabalho e Segurança Social, que tutela o setor, para acompanhar o ato eleitoral.

Contactada sobre este assunto, a AMMG disse ao ECO desconhecer o teor da mensagem que foi enviada, garantindo que não chegou a si nenhum pedido de acesso às listagens de contactos que detém dos seus associados. Mais: informou ainda que, tendo havido contacto com associados por parte de alguém, esse contacto foi com recurso a contactos próprios.

Depois de várias notícias nas televisões e jornais sobre a gestão de Tomás Correia, o conselho de administração da Associação fez saber que “desencadeará os meios apropriados no sentido de ver reparados os danos causados à boa imagem do grupo e das pessoas que o compõem”.

Isto depois de ter denunciado que, no passado dia 23 de novembro, “todos os canais generalistas de televisão (RTP1, SIC e TVI) abriram os seus telejornais da noite veiculando notícias sobre a Associação Mutualista Montepio, recorrendo alegadamente a informação interna que, de forma descontextualizada ou truncada, ajudou a alimentar histórias apenas com um objetivo: influenciar e condicionar o processo eleitoral em curso“.

As eleições para a AMMG terminam no próximo dia 7 de dezembro, estando aberto o processo para o envio de votos por correspondência.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Oposição a Tomás Correia indignada com SMS enviados aos associados sobre “fake news”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião