Wall Street em baixa à espera da cúpula do G20

Depois de uma sessão onde se registaram os ganhos mais elevados dos últimos oito meses, as bolsas norte-americanas abriram no vermelho com os investidores à espera da cúpula do G20.

As bolsas norte-americanas deslizaram esta quinta-feira, depois de terem registado os ganhos mais elevados dos últimos oito meses na sessão anterior. A contribuir para este cenário vermelho em Wall Street está o aproximar da cúpula do G20, com os investidores mais cautelosos sobre os acordos que poderão surgiu desse encontro. O foco serão as disputas comerciais entre os Estados Unidos e a China.

Depois de terem subido mais de 2% na última sessão, nenhum dos três principais índices escapou às perdas: o S&P 500 abriu a cair 0,25% para 2.736,97 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq iniciou a recuar 0,33% para 7.267,37 pontos. O industrial Dow Jones, que valorizou quase 3% na sessão anterior, abriu a desvalorizar 0,09% para 25.343,65 pontos, com vários pesos pesados da indústria a caírem: a Caterpillar recua 1,25% para 129,14 dólares e a 3M Company cai 0,08% para 204,18 dólares.

Este desempenho acontece depois do discurso de Jerome Powell, que deixou no ar a sensação de que os próximos aumentos de juros não deverão ser tão intensivos. O presidente da Reserva Federal dos Estados Unidos disse que as taxas de juro estão num nível abaixo do neutro e longe dos valores históricos.

“O mercado está a fazer uma pequena pausa depois de uma alta significativa ontem e está, assim, a antecipar a cúpula do G20”, diz Art Hogan, da B. Riley FBR, citado pela Reuters (conteúdo em inglês). “É muito difícil fazer uma previsão do G20. Quando não se sabe, a tendência é assumir uma postura de risco”.

Os investidores assumem, então, uma posição mais cautelosa quanto à cúpula do G20, que decorre sexta-feira e sábado em Buenos Aires. Donald Trump e Xi Jinping, Presidente da China, vão estar presentes e serão, certamente, o centro das atenções.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street em baixa à espera da cúpula do G20

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião