Wall Street à espera de tréguas na guerra comercial. Investidores atentos à Fed

Índices norte-americanos estão em terreno positivo perante o otimismo quanto à possibilidade de uma trégua entre os EUA e a China. Investidores aguardam o discurso do presidente da Fed.

As bolsas norte-americanas estão em alta, com os investidores mais confiantes na possibilidade de uma trégua entre os Estados Unidos e a China na próxima cúpula do G20. Além disso, o sentimento positivo dos mercados está a refletir as expectativas dos investidores quanto ao discurso de Jerome Powell.

O índice de referência S&P 500 abriu a subir 0,35% para 2.691,45 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq valoriza 0,74% para 7.135,08 pontos. Por sua vez, o industrial Dow Jones acompanha a tendência e soma 0,34% para 24.832,84 pontos.

Os investidores estão menos preocupados com os receios da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, principalmente depois de assessor económico da Casa Branca ter dito que o encontro entre os dois países no sábado serviu como um “virar de página”, avança a Reuters (conteúdo em inglês). Ficou assim, em aberto, a possibilidade de se alcançar um acordo comercial entre os dois países, principalmente pela aproximação da cúpula do G20, que vai decorrer sexta-feira e sábado em Buenos Aires.

“O comércio tem sido um problema há muito tempo e qualquer indício de que a disputa comercial [entre os Estados Unidos e a China] poderá ser resolvida acaba sempre por melhorar o crescimento mundial”, diz Kim Forrest, do Fort Pitt Capital Group, citado pela agência de notícias. Este sentimento já se traduziu nesta sessão, com vários pesos pesados da indústria a mostrarem subidas: a Boeing está a somar 2,05% para 324,55 dólares e a Caterpillar avança 0,33% para 125,01 dólares.

Além das tensões comerciais, os investidores aguardam expectantes o discurso do presidente da Reserva Federal norte-americana (Fed), Jerome Powell, que vai falar esta quarta-feira sobre o quadro de estabilidade financeira. Nos últimos meses, Powell tem sido fortemente criticado por Donald Trump devido aos aumentos das taxas de juro e outras políticas adotadas.

O discurso do presidente da Fed vai ser analisado minuciosamente para tentar perceber se estão em cima da mesa mais aumentos nas taxas de juro para o próximo ano, especialmente depois de esta ter advertido sobre as perspetivas de crescimento mundial, diz a Reuters.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street à espera de tréguas na guerra comercial. Investidores atentos à Fed

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião