Teixeira Duarte passa de prejuízos a lucros de sete milhões no terceiro trimestre

A melhoria é justificada pelo aumento da atividade em Portugal e pelas vendas de ativos realizadas ao longo deste ano.

A Teixeira Duarte registou lucros de 7,1 milhões de euros no terceiro trimestre do ano, depois dos prejuízos de 11,1 milhões que tinha registado em igual período do ano passado. A melhoria é justificada pelo aumento da atividade em Portugal e pelas vendas de ativos realizadas ao longo deste ano.

Os resultados foram comunicados, esta sexta-feira, à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). No terceiro trimestre, a construtora alcançou um EBITDA (resultados antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) de 110 milhões de euros, o que representa uma quebra homóloga de 10%. A empresa conseguiu reduzir os custos para 597 milhões, embora os proveitos também tenham caído, em 8%, para 707 milhões.

O volume de negócios ultrapassou os 635,5 milhões de euros, o que reflete uma diminuição de 14% face a 2017. Em Portugal, a evolução da atividade foi positiva, com o o volume de negócios a aumentar em 45%, para mais de 161 milhões de euros. O país representa agora 25% do volume de negócios total da Teixeira Duarte, contra os 18% que representava no ano passado.

Foram as quebras de atividade em Angola (-27%) — que, ainda assim, continua a ser o principal mercado da construtora –, Brasil (-37%) e Moçambique (-58%) que levaram a que o volume de negócios diminuísse.

Já a dívida líquida recuou em quase 12%, totalizando 753 milhões de euros.

A impulsionar os resultados estiveram as vendas de ativos. As vendas do Lagoas Park, da gestora do Hospital de Cascais e de 7,5% da Lusoponte “fazem com que o grupo Teixeira Duarte tenha até ao terceiro trimestre deste ano contratado um valor global de alienação de ativos de cerca de 450 milhões de euros dos anunciados 500 milhões de euros previstos alienar”, refere a construtora, em comunicado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Teixeira Duarte passa de prejuízos a lucros de sete milhões no terceiro trimestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião