Após entrada a preço de crise, BCP e EDP veem investimento chinês como sólido e de longo prazo

Os CEO de algumas das maiores empresas portuguesas com acionistas chineses elogiaram esta segunda-feira o papel do capital do país durante a crise. Agora, o objetivo é criar valor.

O investimento chinês em empresas como a EDP, o Millennium bcp ou a REN são vistas pelos CEO como determinantes para a recuperação após a crise. Numa conferência esta segunda-feira em Lisboa que antecede a visita do presidente Xi Jinping a Portugal, os líderes empresariais defenderam que a estratégia de longo prazo dos acionistas dá solidez à gestão.

“Quando a China Three Gorges (CTG) entrou na EDP, os mercados estavam totalmente fechados. Foi indispensável e trouxeram músculo a uma empresa que o precisava”, afirmou António Mexia, CEO da EDP, sobre o maior acionista da elétrica, a empresa estatal que detém 23,27% do capital.

“É uma parceria que encara o desafio da globalização, da revolução tecnológica, uma partilha da importância da descarbonização e de que só conseguiremos ser competitivos se conseguirmos antecipar as mudanças. As utilities lidam muito mal com a concentração de riscos e é preciso ter músculo para essa luta”, referiu no debate “Duas nações, um caminho: crescimento” no âmbito da conferência Portugal – China, uma relação com futuro.

António Mexia reconhece que a aquisição foi feita com o objetivo de a empresa chinesa ganhar acesso a novos mercados, tal como o brasileiro. No entanto, o CEO considera que esta é hoje uma parceria com ganhos para ambas as partes. Quanto à Oferta Pública de Aquisição (OPA) lançada em março, Mexia disse não esperar qualquer alteração nos próximos dias já que o processo ainda vai a vários meses do fim.

Acionistas chineses permitiram manter gestão em Portugal

Da mesma forma, o CEO do Millennium bcp, Miguel Maya, também defendeu que o caráter do investimento chinês no banco mudou ao longo do tempo. “Quando o país estava fragilizado, havia oportunidades. Mas depois, o preço e a oportunidade deixaram de ser a principal motivação, mas sim a capacidade de criar valor para as partes”, disse Maya.

A Fosun é o maior representante do investimento privado chinês em Portugal e acionista do Millennium bcp, com 27,06% do capital. O CEO do banco referiu que o investimento “permitiu sair de um processo de reestruturação e apresentar-se ao mercado como maior banco privado português”, sublinhando que este é um “investidor de longo prazo”, que já teve uma valorização de 56% face ao investimento para entrar no capital do banco.

“Do ponto de vista estratégico, não tenho qualquer dúvida que estamos a criar valor para o acionista”, garantiu Miguel Maya. Por outro lado, vê como positivo para o sistema financeiro que o banco tenha mantido Portugal como o seu mercado principal, apesar de estar a beneficiar dos acionistas chinês e angolano (Sonangol com 19,49% do capital) para aumentar a presença nestes países.

Também a Fidelidade vê a questão da mesma forma. Jorge Magalhães Correia, presidente do conselho de administração da seguradora frisou que, caso a privatização tivesse acontecido pela venda a uma empresa europeia, a Fidelidade seria hoje uma sucursal.

Novas parcerias durante a visita de Xi Jinping

Rodrigo Costa, presidente do conselho de administração da REN, considera também Portugal e China têm muito a aprender um com o outro. A elétrica, cujo maior acionista é a estatal chinesa State Grid com 25% do capital, financiava-se, há sete anos a curto prazo por falta de confiança dos investidores que lhe permitisse financiar-se a longo prazo, enquanto atualmente é avaliada por todas as maiores agências de rating como grau de investimento.

“Na área técnica podemos sempre aprender alguma coisa, mas nenhum de nós morre sem o outro. Há um ponto muito mais importante que é a concorrência. A China é o único grande concorrente dos EUA e essa pressão é boa para todos”, afirmou Rodrigo Costa, anunciando que a REN se preparar para assinar, durante a visita, um acordo de colaboração para a integração de energias renováveis.

No mesmo painel, o presidente da Huawei, Chris Lu, anunciou que irá assinar um protocolo de inovação e cooperação com a Altice Portugal. Ambos remeteram mais pormenores para quando os acordos estiverem assinados, o que deverá acontecer nos próximos dias já que Xi Jinping estará em Portugal na terça-feira e quarta-feira.

“Esta é uma visita importante. Quando um presidente chinês visita Portugal é sempre muito importante”, acrescentou Luís Castro Henriques, presidente do conselho de administração da AICEP. “Já assistimos a alguns, ainda que tímidos, investimento green field em Portugal para usarem Portugal como plataforma para a Europa e para os países de língua portuguesa. O nosso objetivo é atrair empresas privadas para Portugal e cada vez mais investimento industrial, incluindo no setor automóvel, mas também agroalimentar”.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Após entrada a preço de crise, BCP e EDP veem investimento chinês como sólido e de longo prazo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião