ISCTE sobe 17 posições no ranking do FT. Católica e SBE mantêm-se no top 30

Católica, Nova SBE, Porto e ISCTE. São estas as únicas escolas de gestão portuguesas classificadas no ranking do Financial Times e duas delas mantiveram-se mesmo entre as 30 melhores da Europa.

Nas 95 posições do ranking do Financial Times das melhores escolas de Gestão da Europa, só aparecem quatro nomes portugueses: dois deles figuram logo nos 30 melhores lugares e um outro galgou, este ano, 17 degraus de uma só vez.

Nova SBE mantém-se no top 30.

No segundo ano consecutivo em que se classificou nesta lista, a ISCTE Business School (IBS) disparou 17 lugares, fixando na 63ª posição. Imediatamente acima, ficou a Porto Business School. A instituição da Invicta aparece no 62º lugar, o que reflete uma descida homóloga de três posições. Igual evolução registaram as alfacinhas Católica Lisbon School of Business and Economics e Nova School of Business and Economics (SBE), que ainda assim se mantiveram no top 30.

A nível nacional, a melhor classificada foi a Católica, que surge na 28ª posição (estava na 26ª, no ano passado). Esta instituição, que detém a liderança lusa neste ranking há mais de uma década, foi a primeira em Portugal a integrar a lista do Financial Times.

“Para além da posição que ocupamos nos rankings, que muito nos honra, é motivo de grande orgulho verificar o impacto positivo daquilo que fazemos“, sublinha o diretor da Católica Lisbon School of Business & Economics, em comunicado. Nuno Fernandes defende que a “qualidade do ensino” da sua escola serve de “rampa de lançamento do brilhante futuro profissional dos alunos”.

Logo atrás da Católica — ou melhor, dois degraus abaixo — surge a Nova SBE, que este ano desceu cinco posições na lista: do 25º lugar para o 30º.

“Estamos no top 30 das melhores escolas de Gestão da Europa. A escola quadruplicou a sua procura nos seus mestrados, nos últimos setes anos, [sendo mais de] 40% deles internacionais. A mudança para o novo campus em Carcavelos promete um futuro de melhoria, um futuro que irá reforçar a nossa principal missão de atrair talento, produzir e partilhar conhecimento”, reforça, por sua vez, Daniel Traça, dean da escola em questão. Recorde-se que a Nova SBE trocou, no início deste ano letivo, as suas históricas instalações em Campolide por um novo campus à beira-mar, em Carcavelos.

Bem mais abaixo na tabela em causa, mas a protagonizar a quarta subida mais expressiva do ranking, surge a IBS, que saltou do 80º lugar para o 63º lugar. “Muitos fatores têm contribuído para esta afirmação internacional, mas não podemos esquecer que a IBS é a única escola de gestão pública, acreditada internacionalmente, no concelho de Lisboa, tirando o máximo partido da atratividade atual da cidade”, assinala José Paulo Esperança, dean da instituição.

Imediatamente acima desta escola lisboeta, está a Porto Business School, que desce da 59ª posição para a 62ª posição e fecha o quarteto lusitano.

Depois de França (com 25 escolas), do Reino Unido (com 22 escolas), da Alemanha (com sete escolas) e da Bélgica (com cinco escolas), Portugal é o país com uma maior representação nesta lista.

A liderar o ranking mantém-se, à semelhança dos anos anteriores, a britânica London Business School. Os restantes lugares do pódio são ocupados pela HEC Paris e pela Insead, que salta do quinto lugar conquistado em 2017 para o terceiro.

Quem tem o melhor mestrado?

IBS subiu 17 lugares só este ano.Paula Nunes / ECO

Além da classificação geral das escolas de negócios, o Financial Times organiza ainda os melhores MBA Globais, MBA Executivos, programadas de formação de executivos e mestrados em Gestão.

No que diz respeito à primeira e à segunda categoria, a Católica e a Nova SBE dividem a melhor classificação a nível nacional (estão empatadas na 22ª, no MBA Global, e na 54ª posição, no MBA Executivo). Isto porque os programas em causa resultam de uma parceira entre estas escolas. A IBS surge, na segunda categoria, na 57ª posição e a Porto Business School no 58º lugar.

Quanto aos mestrados em Gestão, Católica e Nova SBE surgem no 24º lugar e a IBS no 65º. Por fim, na formação de executivos, a primeira ocupa a 25ª posição, a segunda a 27ª, a terceira na 41ª e a Porto Business School a 34ª.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

ISCTE sobe 17 posições no ranking do FT. Católica e SBE mantêm-se no top 30

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião