ISCTE sobe 17 posições no ranking do FT. Católica e SBE mantêm-se no top 30

Católica, Nova SBE, Porto e ISCTE. São estas as únicas escolas de gestão portuguesas classificadas no ranking do Financial Times e duas delas mantiveram-se mesmo entre as 30 melhores da Europa.

Nas 95 posições do ranking do Financial Times das melhores escolas de Gestão da Europa, só aparecem quatro nomes portugueses: dois deles figuram logo nos 30 melhores lugares e um outro galgou, este ano, 17 degraus de uma só vez.

Nova SBE mantém-se no top 30.

No segundo ano consecutivo em que se classificou nesta lista, a ISCTE Business School (IBS) disparou 17 lugares, fixando na 63ª posição. Imediatamente acima, ficou a Porto Business School. A instituição da Invicta aparece no 62º lugar, o que reflete uma descida homóloga de três posições. Igual evolução registaram as alfacinhas Católica Lisbon School of Business and Economics e Nova School of Business and Economics (SBE), que ainda assim se mantiveram no top 30.

A nível nacional, a melhor classificada foi a Católica, que surge na 28ª posição (estava na 26ª, no ano passado). Esta instituição, que detém a liderança lusa neste ranking há mais de uma década, foi a primeira em Portugal a integrar a lista do Financial Times.

“Para além da posição que ocupamos nos rankings, que muito nos honra, é motivo de grande orgulho verificar o impacto positivo daquilo que fazemos“, sublinha o diretor da Católica Lisbon School of Business & Economics, em comunicado. Nuno Fernandes defende que a “qualidade do ensino” da sua escola serve de “rampa de lançamento do brilhante futuro profissional dos alunos”.

Logo atrás da Católica — ou melhor, dois degraus abaixo — surge a Nova SBE, que este ano desceu cinco posições na lista: do 25º lugar para o 30º.

“Estamos no top 30 das melhores escolas de Gestão da Europa. A escola quadruplicou a sua procura nos seus mestrados, nos últimos setes anos, [sendo mais de] 40% deles internacionais. A mudança para o novo campus em Carcavelos promete um futuro de melhoria, um futuro que irá reforçar a nossa principal missão de atrair talento, produzir e partilhar conhecimento”, reforça, por sua vez, Daniel Traça, dean da escola em questão. Recorde-se que a Nova SBE trocou, no início deste ano letivo, as suas históricas instalações em Campolide por um novo campus à beira-mar, em Carcavelos.

Bem mais abaixo na tabela em causa, mas a protagonizar a quarta subida mais expressiva do ranking, surge a IBS, que saltou do 80º lugar para o 63º lugar. “Muitos fatores têm contribuído para esta afirmação internacional, mas não podemos esquecer que a IBS é a única escola de gestão pública, acreditada internacionalmente, no concelho de Lisboa, tirando o máximo partido da atratividade atual da cidade”, assinala José Paulo Esperança, dean da instituição.

Imediatamente acima desta escola lisboeta, está a Porto Business School, que desce da 59ª posição para a 62ª posição e fecha o quarteto lusitano.

Depois de França (com 25 escolas), do Reino Unido (com 22 escolas), da Alemanha (com sete escolas) e da Bélgica (com cinco escolas), Portugal é o país com uma maior representação nesta lista.

A liderar o ranking mantém-se, à semelhança dos anos anteriores, a britânica London Business School. Os restantes lugares do pódio são ocupados pela HEC Paris e pela Insead, que salta do quinto lugar conquistado em 2017 para o terceiro.

Quem tem o melhor mestrado?

IBS subiu 17 lugares só este ano.Paula Nunes / ECO

Além da classificação geral das escolas de negócios, o Financial Times organiza ainda os melhores MBA Globais, MBA Executivos, programadas de formação de executivos e mestrados em Gestão.

No que diz respeito à primeira e à segunda categoria, a Católica e a Nova SBE dividem a melhor classificação a nível nacional (estão empatadas na 22ª, no MBA Global, e na 54ª posição, no MBA Executivo). Isto porque os programas em causa resultam de uma parceira entre estas escolas. A IBS surge, na segunda categoria, na 57ª posição e a Porto Business School no 58º lugar.

Quanto aos mestrados em Gestão, Católica e Nova SBE surgem no 24º lugar e a IBS no 65º. Por fim, na formação de executivos, a primeira ocupa a 25ª posição, a segunda a 27ª, a terceira na 41ª e a Porto Business School a 34ª.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ISCTE sobe 17 posições no ranking do FT. Católica e SBE mantêm-se no top 30

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião