Revista de imprensa internacional

  • Guilherme Monteiro
  • 4 Dezembro 2018

O Governo de Jair Bolsonaro vai ter menos sete Ministérios que o habitual, mas ainda assim aquém da promessa eleitoral. Em Espanha o desemprego volta a recuar, mas abranda relativamente a outubro.

O desemprego em Espanha voltou a recuar, apesar de mais ligeiramente face ao mês de outubro. No Brasil, já se sabe que o Governo de Jair Bolsonaro vai ser constituído por menos sete ministérios, ainda assim aquém do que tinha prometido. A empresa alemã Audi, que faz parte do grupo Volkswagen, vai investir 14 biliões em carros automáticos. Em processo de novas apostas, está também a consultora Ernest & Young, que vai mudar de presidente. E a maior fábrica de iPhones, a Foxconn, vai tentar fugir à guerra comercial entre os Estados Unidos e a China e vai construir uma unidade no Vietname.

Cinco Días

Desemprego desce em Espanha, mas há mais 47 mil desempregados

O mercado de trabalho espanhol voltou a abrandar no mês de novembro. Foram menos cerca de 47 mil as pessoas empregadas relativamente ao mês de outubro, segundo o Ministério do Trabalho espanhol. No total, estão empregados 18,94 milhões de espanhóis. O fim da época alta no turismo foi um dos fatores que mais influenciou este desempenho. Com este contexto, cerca de 105 mil os empregos terminaram, num mês, no setor da hotelaria. Mesmo assim, foi o primeira vez que o desemprego caiu no mês de novembro, desde 2015.

Leia a notícia completa no Cínco Dias (acesso livre/conteúdo em espanhol).

Globo News

Governo de Bolsonaro vai ter 22 ministros. 7 ministérios vão ser extintos

O futuro Governo do presidente eleito Jair Bolsonaro vai ser constituído por 22 ministérios. Bolsonaro extinguiu sete ministérios mas, ainda assim, faltaram mais outros para cumprir o que havia prometido de ter um Executivo com 15. O Ministério do Trabalho, um dos extintos, contestou a medida. Em nota oficial, o Ministério do Trabalho afirmou que a extinção da pasta é inconstitucional e acaba com um meio de conversa entre os trabalhadores e os empregadores.

Leia a notícia completa na Globo News (acesso livre).

Reuters

Audi investe 14 biliões em carros automáticos

A marca de automóveis premium da Volkswagen anunciou um investimento de 14 mil milhões de euros até 2023 em mobilidade elétrica, digitalização e direção autónoma. Num comunicado, a empresa informou que tem projetadas despesas na ordem dos 40 mil milhões de euros nos próximos cinco anos. Através de medidas de restruturação, a Volkswagen conta gerar ainda este ano mil milhões de euros.

Leia a notícia completa na Reuters (acesso pago, conteúdo em inglês).

The Straits Times

Presidente da EY abandona cargo em 2019

A empresa de auditoria Ernest & Young anunciou, esta terça-feira, que o presidente e diretor executivo vai abandonar o cargo em julho de 2019, altura em que a firma inicia o novo ano fiscal. Weinberger diz ter feito uma reflexão sobre as mudanças da empresa nos últimos anos e tomou a decisão de abandonar a liderança, num momento em que vê “um futuro ainda mais promissor” que será “criado por uma nova geração de líderes excecionais”. Weinberger, ex-subsecretário de política tributária do Tesouro dos Estados Unidos do Governo do ex-presidente norte-americano, George W. Bush, juntou-se à executiva global da EY em 2008, após cinco anos no conselho executivo das Américas.

Leia a notícia completa no The Straits Times (acesso livre/conteúdo em inglês).

Channel News Asia

A maior empresa que monta iPhones, a Foxconn, está a considerar a possibilidade de abrir uma fábrica no Vietname para atenuar eventuais efeitos da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China. O trabalho conjunto entre a empresa e o país foi confirmado pelo executivo, que garantiu estar a trabalhar com conjunto com a Foxconn para abrir uma fábrica de produção de iPhones.

Leia a notícia completa na Channel News Asia (acesso livre/conteúdo em inglês).

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião