EDP recomprou mais dívida que o previsto. Paga 500 milhões

A EDP vai recomprar 500 milhões de euros em títulos de dívida, um valor que ficou 100 milhões de euros acima do esperado inicialmente.

A EDP EDP 0,25% vai recomprar 500 milhões de euros em títulos de dívida, um valor que ficou 100 milhões de euros acima do esperado inicialmente. A operação visa otimizar a carteira de passivos e aumentar a maturidade média da dívida do grupo liderado por António Mexia.

A elétrica nacional tinha lançado na semana passada ofertas para recomprar de dívida com maturidades entre 2019 e 2022, e que representavam um valor agregado de cerca de três mil milhões de euros. Propôs-se a comprar até 400 milhões de euros.

Agora, em comunicado enviado ao mercado, adianta que vai aceitar adquirir valores mobiliários no montante de 499,9 milhões de euros. “Espera-se que a data de liquidação a respeito dos valores mobiliários aceites para compra no âmbito das ofertas seja 11 de dezembro”, diz.

Grande parte da recompra diz respeito a uma linha de dívida a vencer em setembro de 2020: vai adquirir títulos no montante de 287,8 milhões de euros nesta linha. Também vai recomprar 98,8 milhões de euros em instrumentos que venciam no próximo ano, 66,6 milhões de euros em dívida a vencer em junho de 2020 e outros 46,8 milhões em títulos com maturidade em 2021. Também lançou uma oferta sobre valores mobiliários a vencer em 2022, mas não vai adquirir qualquer montante nesta linha.

No mesmo documento publicado na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a EDP diz que utilizou a liquidez disponível para lançar as ofertas de recompra de dívida.

EDP em alta

(Notícia atualizada às 18h25)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP recomprou mais dívida que o previsto. Paga 500 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião