Petróleo dá energia à Galp. Lisboa avança

O acordo de corte de produção da OPEP+ fez disparar em mais de 5% as cotações do "ouro negro", o que deu energia às ações da Galp que puxaram pelo desempenho do PSI-20 na última sessão da semana.

OPEP e petróleo. As duas expressões estiveram na boca dos investidores num dia marcado pela recuperação dos principais índices bolsistas após o sell-off da sessão anterior. A matéria-prima acabou por ser uma das principais responsáveis pelo desempenho positivo dos principais mercados acionistas europeus na última sessão da semana. Lisboa não foi exceção. O disparo de 5% da cotação do “ouro negro” animado pelo acordo da OPEP+ puxou pela ações da Galp Energia que por sua vez, e a par da EDP e das retalhistas, deram fôlego ao principal índice bolsista lisboeta.

Os maiores produtores de petróleo do mundo (excluindo os EUA) acordaram reduzir a oferta da matéria-prima em 1,2 milhões de barris por dia a partir de janeiro. A decisão foi tomada na reunião de dois dias da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e outros líderes que alinham no acordo de cortes de produção, que terminou esta sexta-feira em Viena, na Áustria.

A notícia puxou pela cotações do petróleo e pelas cotadas ligadas ao setor da energia. E a Galp não foi exceção. As ações da empresa liderada por Carlos Gomes da Silva ganharam 1,75%, para os 14,52 euros, num dia que fica ainda marcado por um research do BPI que diz haver espaço para a Galp aumentar o dividendo pago aos acionistas nos próximos dois anos. Os analistas antecipam que remuneração aos acionistas da petrolífera atinja os 456 milhões de euros por ano, entre 2019 e 2021, impulsionada pelo negócio no Brasil.

Entre os títulos que mais puxaram pelo desempenho da praça bolsista nacional, levando o PSI-20 a valorizar 0,4%, para os 4.836,73 pontos, com metade dos seus 18 títulos em alta, estiveram ainda a EDP, que viu as suas ações somarem 2,42%, para os 3,093 euros, mas também as retalhistas.

Destaque para a Jerónimo Martins, cujas ações ganharam 2,29%, para os 10,495 euros, depois de terem sido muito castigadas nas últimas sessões. O mesmo rumo foi seguido pela Sonae, com os seus títulos a valorizarem 2,15%, para os 83 cêntimos. As duas cotadas terão beneficiado durante esta sessão do efeito natal. “Espera-se neste mês festivo, que as vendas aumentem, levando o setor a reagir em alta”, disse Carla Maia santos, trader da XTB, para justificar o rumo dos títulos do retalho.

Nota negativa para o BCP que foi um dos principais fatores de pressão na sessão lisboeta. As ações do banco liderado por Miguel Maya recuaram 1,44%, para os 23,90 cêntimos, um dia depois de a Fitch ter subido o rating do banco, mas colocando-o ainda em “lixo”, no segundo nível.

(Notícia atualizada às 17h01 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Petróleo dá energia à Galp. Lisboa avança

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião