Wall Street avança com acordo à vista para corte de produção da OPEP

Os mercados estão a reagir à notícia de que a OPEP já tem uma extensão do acordo de cortes de produção petrolífera à vista.

As bolsas norte-americanas iniciaram a última sessão da semana a negociar em terreno vermelho, ainda que com ligeiras perdas. Mas, pouco tempo tempo, os índices recuperam. Estão em alta, impulsionados pelos ganhos no mercado petrolífero.

O S&P 500 está a valorizar 0,26% para 2.703,00 pontos. Já o industrial Dow Jones avança 0,25% para 25.009,21 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq recua 0,10% para 7.189,95 pontos.

A tendência, que contraria o comportamento das últimas sessões, acontece na sequência da notícia de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) já tem uma extensão do acordo de cortes de produção petrolífera à vista.

Contudo, ainda falta saber, oficialmente, o montante que será cortado pelos países de fora do cartel que estão também no acordo e cujo encontro está ainda a decorrer. Em reação, o Brent londrino valoriza 5,16% para 63,16 dólares por barril, enquanto o WTI negociado em Nova Iorque sobe 4,70% para 53,91 dólares por barril.

Esta sexta-feira fica marcada, ainda, pelos resultados do emprego nos Estados Unidos da América (EUA), que assustaram os investidores na abertura da negociação. De acordo com o Departamento do Trabalho dos EUA, os dados relativos à criação de emprego registada no mês passado ficaram abaixo das expectativas dos analistas.

A taxa de desemprego no país manteve-se em 3,7% em novembro, pelo terceiro mês consecutivo, com uma criação de emprego mais fraca do que o previsto, segundo o Departamento do Trabalho. No mês passado, foram criados 155 mil postos de trabalho, quando em outubro tinham surgido 237 mil (uma revisão em baixa).

Enquanto os dados ficaram abaixo do esperado pelos analistas (que previam a criação de 185 mil empregos), os salários registaram um aumento de 0,2% em relação a outubro. No período de um ano o crescimento salarial foi de 3,1%, um ritmo bastante superior ao da inflação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street avança com acordo à vista para corte de produção da OPEP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião