Brand Therapist: marcas oferecem life coaching e aconselhamento sexual

“Através de novos ideais, produtos ou serviços, vamos viver em 2019 com mais estímulos à autorreflexão e a iniciativas que nos ajudam a desconectar do mundo digitalmente saturado”.

Hoje, em Nova Iorque tem-se um terapeuta. Em Los Angeles, um xamã. Num artigo recente, a Condé Nast Traveller aponta os Modern Mystics como uma nova tribo e uma das grandes tendências em lifestyle. Mas se sairmos do lifestyle para o branding — e se avançarmos para 2019 –, temos nas marcas uns “terapeutas”.

Numa mudança estratégica ou, se quisermos, de evolução, estão a criar novas formas de diálogo e até a reinventar a forma como se abordam certos tabus: falando de temas como a saúde sexual, a saúde mental ou a menopausa. Por outras palavras, dizem-nos que são humanas e que o seu propósito é maior do que apenas fazer dinheiro.

A JWT Intelligence chama-lhe Brand Therapists, a tendência que revela um esforço por parte das marcas de promoverem o bem-estar e aprofundarem o relacionamento com os consumidores. “Através de novos ideais, produtos ou serviços, vamos viver em 2019 com mais estímulos à autorreflexão e a iniciativas que nos ajudam a desconectar do mundo digitalmente saturado.

Na verdade, a tecnologia será um aliado neste caminho, uma vez que os players do setor estão cada vez mais focados em re-imaginar o nosso dia-a-dia, ganhando espaço nas nossas cidades, casas, na nossa saúde e educação”, explica Elisabete Ferreira, Digital Brand Transformation da JWT.

E há marcas que estão a levar a sério o conceito de retalho enquanto terapia. A Lola, que começou por vender tampões e que hoje tem uma gama mais vasta de produtos, está a tentar acabar com o estigma da saúde sexual e ir além do propósito utilitário, acrescentando valor através de conselhos de vida relacionados com o seu negócio. Lançou a campanha “Let’s Talk About It”, uma hotline pública, com mensagens pré-gravadas com questões sobre sexualidade. (FOTO2)

A Coach lançou em nova Iorque a Life Coach, uma pop-up interativa que encorajava a auto-descoberta através de cartas de tarot e sessões de astrologia.

Na Irlanda, o Lidl criou também um conjunto de pop-ups, onde num ambiente descontraído e ao sabor de um café se incentivava os jovens a falarem abertamente sobre a saúde mental, entre talks, sessões de ioga do riso e meditação. E mais recentemente, durante a semana de moda de Paris, o designer holandês Schueller de Waal, em vez de apresentar a tradicional coleção, surpreendeu com a criação de um centro de bem-estar com massagens e um filme de hipnoterapia.

São 100, as tendências apontadas para 2019 no novo relatório da JWT Intelligence. Depois de um ano de mudanças “entre perturbadoras correntes políticas, económicas e ambientais, desenvolveram-se culturas, novos comportamentos e surgiram “modismos” como formas de resposta a tanta turbulência. Se muito se falou sobre a geração Z, pelo seu poder de influenciar as decisões de consumo de amigos, seguidores e das próprias famílias, em 2019 vamos assistir a uma maior influência da microgeração Xennial (nascidos entre 1977 e 1983), que surge cada vez mais participativa em temáticas culturais e politicas”, acrescenta Elisabete Ferreira.

What’s Next? Ainda mais mudanças! “Vamos assistir à desconstrução de modelos pré-concebidos, como a maternidade e a masculinidade, onde as marcas têm uma cota parte de culpa ao reforçar e criar estereótipos. Haverá um esforço conjunto – influenciadores e marcas – para promover o bem-estar e construir um mindset mais sustentável, pelo que é hora de considerar comportamentos mais responsáveis na consumer journey e no ciclo de vida do produto. É o ano de as marcas assumirem um papel relevante nas nossas vidas, no mundo”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brand Therapist: marcas oferecem life coaching e aconselhamento sexual

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião