A cada 30 segundos uma mulher é alvo de um tweet abusivo. Contas são da Amnistia Internacional

Com recurso à inteligência artificial, foram analisados os tweets enviados durante o ano de 2017 a uma amostra de quase 800 mulheres das áreas da política e do jornalismo.

A Amnistia Internacional está preocupada com o discurso de assédio e abuso nas redes sociais, sobretudo dirigido a mulheres através do Twitter. Para provar que este é, de facto, um problema real, a organização não-governamental (ONG) que defende os direitos humanos decidiu procurar números.

E tirou uma conclusão: a cada 30 segundos é publicado um tweet considerado abusivo, avança o Tech Crunch (acesso livre, conteúdo em inglês).

O estudo da Amnistia Internacional, conduzido com a ajuda de mais de seis mil voluntários, foi já apelidado pela organização como “o maior de todos os tempos”. Com recurso à inteligência artificial (IA), foram analisados os tweets enviados durante o ano de 2017 a uma amostra de 778 mulheres do mundo da política e do jornalismo.

Feitos os testes e tiradas as conclusões, a Amnistia constatou que 7,1% (ou 1,1 milhões) dessas publicações eram “problemáticas” ou consideradas “abusivas”. Estes números revelam, ainda, que a cada 30 segundos é enviado um tweet abusivo ou com uma intenção de assédio a uma mulher.

O estudo definiu “problemáticos” os tweets que contêm conteúdo ofensivo ou hostil, especialmente se dirigido à mesma pessoa repetidamente, em várias ocasiões. Por outro lado, considerou “abusivos” os tweets que violam as próprias regras da rede social, incluindo conteúdo que promova a violência ou ameaças com base na raça, etnia, nacionalidade, orientação sexual, género, religião, idade, deficiência ou doença grave.

O estudo da ONG concluiu, ainda, que as mulheres negras, asiáticas e latinas têm mais 34% de probabilidade de serem mencionadas em tweets problemáticos ou abusivos do que as mulheres brancas. As mulheres negras, em particular, eram especialmente vulneráveis (85% mais propensas do que as mulheres brancas).

Um lugar “tóxico” para as mulheres

Segundo o grupo de defesa dos direitos humanos, muitas mulheres fazem uma espécie de autocensura antes de publicarem qualquer conteúdo no Twitter, limitando as suas intenções, ou, em última instância, acabam mesmo por abandonar a plataforma.

“Num momento decisivo, em que as mulheres de todo o mundo estão a usar o seu poder coletivo para fazer com que as suas vozes sejam ouvidas, sobretudo através das redes sociais, a falha do Twitter no combate à violência e ao abuso significa que as mulheres estão a ser empurradas para um cultura de silêncio”, explicou o grupo.

No início deste ano, a ONG já tinha lançado um relatório no qual descrevia o Twitter como um lugar “tóxico” para as mulheres.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A cada 30 segundos uma mulher é alvo de um tweet abusivo. Contas são da Amnistia Internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião