Alojamento local pode gerar impacto económico de 412 milhões este ano em Portugal

  • Lusa
  • 19 Dezembro 2018

De acordo com um estudo da Universidade Lusófona, cerca de 133,64 milhões de euros são relativos a gastos com reserva de alojamento e 278,3 milhões a outras despesas durante a estadia.

O alojamento local tem um peso “inegável” no turismo e na economia e este ano poderá gerar um impacto económico de quase 412 milhões de euros em Portugal, segundo estimativas de um estudo divulgado esta quarta-feira pela universidade Lusófona.

Estima-se que os gastos totais associados ao alojamento local em Portugal este ano gerem um impacto económico de cerca de 411.919.000 euros, sendo 133.643.000 euros relativos a gastos com reserva de alojamento e 278.276.000 euros a outras despesas durante a estadia. As conclusões são do estudo realizado pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias para a plataforma online HomeAway, naquele que representa o primeiro barómetro nacional sobre o perfil do viajante português em alojamento local.

O mesmo estudo estima também que, este ano, 1,7 milhões de viajantes residentes em Portugal fiquem hospedados num alojamento local pelo menos uma vez e que o valor médio total por estadia e por pessoa seja de 737 euros. O valor médio total engloba gastos médios de 354 euros com a reserva de alojamento local e de 383 euros com outras despesas durante a estadia, como alimentação e transportes, que implicam “um gasto direto no comércio local e um impacto positivo na economia nacional”, frisa o estudo.

“Tendo em conta o somatório dos benefícios diretos e indiretos, o peso do alojamento local no turismo e na economia [em Portugal] é inegável”, refere o documento. Por outro lado, o alojamento local é uma atividade “em franco crescimento” e “responsável pela criação e pela manutenção de postos de trabalho, pela valorização imobiliária e pela recuperação urbana, pela geração de valor para as autarquias, através da taxa turística”, e dá um “forte contributo para o aumento sustentado da oferta turística da marca/país Portugal”.

Segundo o estudo, entre setembro e outubro deste ano, os principais utilizadores de alojamento local em Portugal foram famílias (41,30%), seguindo-se casais (34,90%) e grupos de amigos (18,5%), sendo que a maioria dos inquiridos (83%) utilizou esta opção de estadia entre uma a quatro vezes. Os viajantes preferiram o alojamento local para estadias mais longas e destinos nacionais, nomeadamente o Algarve (27,1%), o Norte (24,5%) e o Centro (21,1%). As estadias em alojamento local duraram até sete dias, a estadia média foi de 4,6 dias, o número médio de turistas presentes num alojamento local foi de 3,88 e o apartamento foi o tipo de alojamento local preferido pelos viajantes (42,7%).

Segundo a HomeAway, o estudo visa “fornecer uma radiografia precisa sobre os hábitos e costumes” do utilizador de alojamento local e divulgar dados que “irão ajudar a compreender melhor as especificidades do setor”. As conclusões resultam de dados recolhidos durante os meses de setembro e outubro deste ano junto de um universo composto por residentes em Portugal, de ambos os sexos, com idades entre 18 e 65 anos, que ficaram num alojamento local, em território nacional, pelo menos uma vez, entre agosto de 2016 a agosto de 2018.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alojamento local pode gerar impacto económico de 412 milhões este ano em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião